Equipe de Goiás busca espaço em esporte eletrônico cada vez mais competitivo

Cada vez mais popular entre os jovens e adultos, os eSports são sucesso de audiência em uma indústria que fatura cada vez mais

Equipe genuinamente goiana, Rensga busca provar que é possível ter times competitivos fora do eixo Rio-São Paulo| Foto: Divulgação Rensga Esports

Se você foi criança ou adolescente no início dos anos 2000, provavelmente em algum momento deve ter se reunido com os amigos para ir na lan house jogar os famosos CS 1.6, GTA, entre outros jogos. Com o passar dos anos, o que era apenas um passatempo, passou a se tornar sério e ganhou nome: esportes eletrônicos ou eSports.

Jogos como Counter Strike (CS), League of Legends (LoL), Free Fire, Fortnite, Rainbow 6, Valorant, entre outros tem conquistado cada vez mais jogadores e público. O número de pessoas que assistem a campeonatos de games já supera os que acompanham jogos de futebol. No Brasil, o futebol é acompanhado por 24% das pessoas de 10 a 20 anos. Nessa mesma faixa etária, o número de pessoas que assistem algum torneio de eSports, o número chega a 43%. 

Indústria bilionária

A indústria dos games movimenta muito dinheiro no mundo. De acordo com relatório da SuperData, a receita do mercado de games em 2020 teve receita de US$ 126,6 bilhões, 12% a mais do que em 2019. O aumento foi impulsionado por conta da pandemia da Covid-19 no mundo. Para 2021, a expectativa é de que o mercado alcance US$ 180 bilhões de receita, o número foi apontado em um relatório da NewZoo, empresa de análise de games eSports. 

No Brasil, o mercado de games também está em alta. De acordo com uma pesquisa da consultoria PwC, a média de crescimento do mercado de games no país será de 5,3% até 2022. Neste mesmo ano, o mercado de games no Brasil espera faturar US$ 1,75 bilhão. 

Goiás no eSports

O Estado de Goiás conta com um forte representante no cenário competitivo do eSports no Brasil. A Rensga, equipe de League of Legends e que disputa o Campeonato Brasileiro de League of Legends (CBLoL). A estreia da equipe foi em 2019, no Circuito Desafiante de League of Legends, a 2ª divisão nacional. Porém a chegada a primeira divisão nacional ocorreu apenas em 2020, quando a Riot Games – organizadora do CBLoL – mudou a estrutura do CBLoL para o sistema de franquias e uma das vagas foi conquistada pela Rensga. 

Em entrevista ao Jornal Opção, Djary Veiga, CEO da Rensga, tratou a equipe como “pioneira” no cenário competitivo de eSports em Goiás. Segundo Djary, apesar de outras equipes terem surgido antes da Rensga – mas que não tiveram o projeto consolidado – o pioneirismo por parte da equipe vem da visão a médio e longo prazo. 

“Mesmo que outros times já tenham sido formados anteriormente, estruturamos um projeto robusto com visão para desenvolvimento em médio e longo prazos e muito atuante no cenário competitivo nacional”, justificou Djary ao tratar do pioneirismo da Rensga. 

Crescimento do eSports em Goiás

A Rensga é uma das 10 equipes que disputam o CBLoL atualmente. Ao lado dos goianos estão equipes já consolidadas no cenário nacional, como a Red Canids, KaBum Esports, paIN Gaming, INTZ, Fúria. Para Djary Veiga, estar no circuito profissional e disputar partidas contra essas equipes trazem público e oportunidades de negócios para a marca. “Tudo isso gera um alcance muito grande, tanto de público quanto de novas oportunidades de negócios”. 

A audiência é um número bastante expressivo nos duelos do eSports. Apesar de novata no circuito competitivo de League of Legends, a Rensga já vem acumulando bons números de espectadores. No último dia 7 de fevereiro, mais de 200 mil espectadores acompanharam o duelo contra a paIN. 

Segundo Djary Veiga, a proposta da Rensga é mostrar para o Brasil que é possível desenvolver times competitivos fora do eixo Rio-São Paulo e descentralizar os esportes eletrônicos. Para ele, a Rensga está no caminho certo. Em meio a pandemia, os confrontos estão sendo realizados de maneira remota, entretanto, quando voltarem as partidas presenciais, a Rensga pretende mandar os jogos em Goiânia. 

Estrutura

Entre atletas e profissionais, a Rensga conta atualmente com 14 profissionais em sua equipe. Em um cenário cada vez mais competitivo, a preparação para as partidas faz toda a diferença, por conta disso os atletas recebem tratamento com nutricionista, fisioterapeuta e psicólogo. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.