Entenda por que Marília Mendonça foi acusada de transfobia e está sendo ‘cancelada’ na web

Modelo trans rebate cantora e questiona: “qual é a piada, qual é a graça? Porque pelo entendi a piada sou eu”

Foto: Reprodução

A cantora Marília Mendonça foi acusada de transfobia na noite deste domingo, 9, após fazer uma “piada” com o fato de um membro de sua equipe ter se envolvido com uma mulher na antiga boate Disel, em Goiânia. O fato não passou despercebido em um país onde casos de transfobia são recorde mundial, segundo dados da ONU, e não demorou muito para que a artista começasse a ser “cancelada” por parte do público.

Aos risos, Marília e sua banda relembraram o fato de que o amigo teria mencionado que a mulher seria a mais bonita que ele teria beijado em toda a sua vida. A cantora então fez uma insinuação sobre o público do local, conhecido por ter sido uma das primeiras casas noturnas dedicadas ao público LGBTQI+ da capital. Após o relato, uma pessoa da banda questiona: “mas será que era mulher mesmo?”, e o comentário é seguido por mais risos.

O caso tornou-se um dos mais comentados nas redes sociais e muitas vozes, entre elas de pessoas transgênero, apontaram o quão problemático é esse tipo de discurso, ainda mais se tratando de uma pessoa com um público tão grande como o da cantora. A modelo trans Bruna Andrade foi uma dessas vozes. “Quando falaram o nome Diesel já começaram a rir com muito deboche, como se houvesse uma piada muito grande em cima dessa boate. Qual é a graça de existir uma boate voltada para esse público”, questiona.

“Qual é a graça de um cara cis se relacionar com uma menina trans. Foi muito duro ver a minha musa falar que se um homem demostra afeto por mim é chacota. Então eu sou a chacota? Eu não sou digna de ser amada e de receber carinho? Todo relacionamento meu vai ser piadinha, vai ser vergonha?”, aponta a modelo, ao frisar que além de constrangimento isso reforça um estigma que gera preconceito e até assassinato.

Bruna segue dizendo que uma rápida busca no Google mostra que muitos homens assassinam mulheres trans por medo de que o relacionamento seja descoberto, que a família e amigos saibam. “Em outros casos eles sequer chegam a se relacionar porque sabem que se tornarão motivo de piada, igual aconteceu no vídeo. Isso se desdobra na solidão da mulher trans. O afeto nos é negado, ou então ele é escondido e corremos o risco de sermos assassinadas se alguém descobrir”, relata.

Para Bruna assim como para muitos internautas, o caso mostra como a transfobia age. Ela nem sempre é violenta e pode se mostrar de forma sutil e despretensiosa. “Deixo uma pergunta aqui, você se considera transfóbico? Se não, você riria da fala da Marília Mendonça? E por fim deixo uma pergunta para a cantora: qual é a piada, qual é a graça? Porque pelo entendi a piada sou eu”.

Após a repercussão do caso, a cantora se limitou a comentar o episódio, via twitter, com a seguinte declaração: “Pessoal, aceito que fui errada e que preciso melhorar. Mil perdões. De todo o coração. Aprenderei com meus erros. Não me justificarei”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.