Empresas se mobilizam para barrar projeto que inviabiliza aplicativos de transporte

As concorrentes Uber, 99 e Cabify organizam abaixo assinado, com a colaboração de clientes e motoristas, contra matéria que deve ser votada esta semana no Senado

Deve ser votado pelo plenário do Senado Federal nesta semana, o Projeto de Lei Complementar (PLC) 28/2017, que regulamenta serviços de transporte remunerado individual por meio de aplicativos como Uber, 99 e Cabify.

Aprovado em abril pela Câmara dos Deputados, o projeto determina uma série de exigências para que esse tipo de serviço possa funcionar, incluindo uma autorização prévia das prefeituras.

Apoiado pelos taxistas e reprovado pelas empresas e usuários dos aplicativos, a matéria promete gerar polêmica. A Uber, 99 e Cabify, principais provedoras do serviço no Brasil, se uniram em uma campanha contra a aprovação da matéria.

Em vez de debater abertamente, eles dizem que estão criando uma regulação. Não estão. Na verdade, este projeto de lei aumenta a burocracia, exige dos motoristas de aplicativos licenciamento com placas vermelhas, e diminui a possibilidade das pessoas de gerarem renda”, diz o comunicado das empresas. 

Além de um abaixo-assinado, também foi apresentado um projeto de lei alternativo para uma regulamentação que, segundo as empresas, não restrinja a prestação do serviço.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.