Empresário ligado ao regime de Maduro é extraditado aos EUA

Fato fez com que Caracas suspendesse negociações com oposição, as quais Alex Saab estava nomeado para conduzir

Nicolás Maduro e Alex Saab: regime venezuelano reage a extradição de empresário para os EUA | Foto: Reprodução

Preso desde o ano passado por acusações de corrupção, o empresário colombiano Alex Saab – considerado aliado do regime autoritário de Nicolás Maduro na Venezuela, foi extraditado de Cabo Verde para os Estados Unidos neste sábado, 16.

O governo em Caracas reagiu por meio de um comunicado oficial, no qual denunciou o que chamou de “sequestro do diplomata venezuelano Alex Saab pelo governo dos Estados Unidos em cumplicidade com autoridades cabo-verdianas”.

O empresário também possui nacionalidade venezuelana e tem passaporte diplomático do país. Como represália, Maduro anunciou que vai interromper o diálogo com a oposição do país, que estava previsto para ser retomado neste domingo, na Cidade do México. Saab havia sido nomeado membro da equipe do governo nas negociações com a oposição.

O empresário e seu sócio Álvaro Pulido são acusados nos Estados Unidos de dirigir uma rede que explorava um programa de distribuição de comida na Venezuela. Eles são acusados de transferir cerca de US$ 350 milhões para contas que controlavam nos Estados Unidos e em outros países, e podem ser condenados a até 20 anos de prisão.

O empresário virou réu em 2019 por lavagem de dinheiro em Miami, e foi preso durante uma escala de avião em Cabo Verde, na África, em junho de 2020.

Após a extradição feita neste sábado, forças de segurança da Venezuela levaram seis executivos ligados aos Estados Unidos (cinco cidadãos americanos naturalizados e um com residência permanente) que estavam em prisão domiciliar. Presos desde 2017, os empresários do setor do petróleo foram condenados à prisão por corrupção no ano passado, em processos que o governo dos Estados Unidos acusa de serem recheados de irregularidades. Não está claro se eles serão mandados novamente para uma penitenciária.

* Com informações da Folha de S.Paulo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.