Empregos formais em outubro têm o menor resultado desde 1999

Retração chegou a 30 mil postos de trabalho: maioria veio da Construção Civil e agricultura. Caged também anuncia queda no número de empregos com carteira assinada em cinco dos oito setores da economia

(Foto: Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas)

(Foto: Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas)

A geração de empregos formais no país em outubro é o menor resultado para o mês desde 1999, com uma retração de 30.283 postos de trabalho, o que corresponde 0,07% em relação aos números de vagas do mês anterior. No ano, de acordo com os dados do Cadastro-Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados nesta sexta-feira (14/11), foram criadas 912 mil vagas.

De acordo com o Caged, o resultado negativo em outubro (1.718.373 demissões contra 1.748.656 admissões) foi reflexo, principalmente, da perda de postos na Construção Civil (-33.556) e na agricultura (-19.624). Também ocorreu queda no número empregos com carteira assinada em cinco dos oito setores da economia. O comércio (32.771), os serviços (2.433) e o setor público (184) contrataram mais do que demitiram.

Os dados do Caged mostram, ainda, que nove dos 12 ramos da indústria da transformação tiveram desempenho negativo na geração de empregos formais. Os maiores recuos foram na indústria de material de transportes (-3.442 postos), indústria têxtil (-2.313 postos) e metalúrgica (-2.261 postos). Os saldos positivos no emprego ocorreram na indústria de produtos alimentícios (2.896 postos) e na indústria da madeira e do mobiliário (1.090 postos).

Em Salvador, o ministro do Trabalho, Manoel Dias, disse que o resultado negativo do Caged, em outubro deveu-se a expectativa em torno das eleições e a fatores climáticos, como a falta de chuvas na Região Sudeste, que tem provocado escassez de água e em São Pualo. “As demissões foram feitas, mas as contratações ficaram para depois”, pontuou o ministro. Para Dias, com o resultado ruim, o saldo anual deve ficar abaixo de 1 milhão de vagas criadas.

Das 27 unidades da federação, segundo o Caged, 11 apresentaram aumento no nível de emprego em outubro. Alagoas (7.735 postos), Ceará (7.363 postos) e Santa Catarina (4.973 postos) se destacaram pela criação de postos formais, enquanto São Paulo (21.886 postos), Minas Gerais (8.331 postos) e Bahia (6.207 postos) tiveram o maior número de demissões.

Deixe um comentário