Em vídeo, suspeita de matar estudante em Goiânia diz que vítima não reagiu a assalto

Natália Gonçalves confessou crime que vitimou estudante na porta de um colégio no Setor Marista, em Goiânia

Foto: André Saddi

Foto: André Saddi

A Polícia Civil apresentou, na manhã desta sexta-feira (26/2), a suspeita de matar a estudante Nathália Zucatelli, de 18 anos, na porta do Colégio Protágoras, no Setor Marista, em Goiânia. O crime ocorreu na noite da última segunda-feira (22/2) e causou comoção na capital goiana.

Natália Gonçalves de Sousa confessou o assassinato, que contou com a participação de outros dois homens: Mateus Queiroz Aguiar, o motociclista que estava com a jovem no momento do crime, e Fernando Rodrigues Júnior, que emprestou a arma ao casal e também foi identificado e preso. Mateus segue foragido.

Em vídeo disponibilizado pela polícia, Natália Gonçalves confessa o crime e afirma que a jovem não reagiu ao assalto. “A reação dela foi normal. Virou as costas e saiu. Foi quando a moto acelerou e eu assustei”, disse a suspeita, indicando que o disparo contra a vítima teria sido acidental.

À polícia, no entanto, Natália teria dado uma versão diferente. Conforme o delegado Clayton Camilo, responsável pelo caso, a jovem teria dito que andava com a arma já engatilhada na cintura e atirou contra a estudante porque quis.

Na gravação, a jovem, que tem passagem por receptação, confessa também que, no mesmo dia, participou de outros dois assaltos. “Ele (Mateus) me chamou para fazer um assalto e eu estava precisando de dinheiro… Meus filhos estavam sem água e sem energia, e eu aceitei”, contou.

Por fim, questionada sobre o que pensa a respeito da situação, Natália conclui dizendo que quer se redimir da culpa. “Eu quero pagar pagar o que eu devo, pagar meus pecados, sair da cadeia e ter uma vida normal.”

Prisão

Natália Gonçalves foi presa, por volta das 20h30 da última quinta-feira (25), na casa de sua mãe, no Setor Jardim Tiradentes, em Goiânia. Na mesma noite, a Justiça goiana expediu mandados de prisão contra a jovem e os outros dois homens envolvidos no crime.

A prisão vem um dia após a troca de titular da Secretaria de Segurança Pública, que passou a ser comandada pelo vice-governador José Eliton. À imprensa, o titular afirmou que a prisão dos suspeitos é uma resposta à população no que diz respeito à violência na capital.

“Em Goiás, não há um caso de grande relevância que as forças policiais não tenham identificados seus autores e os apresentado ao poder Judiciário. […] E é importante destacar que, aqui em Goiás, quem ultrapassar os limites legais serão efetivamente punidos. Podem demorar um, dois, três dias, um mês, dois meses… Mas os autores serão identificados”, destacou.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.