Alterações são necessárias para liberação de R$ 815 milhões a serem usados em obras viárias

Vereador diz que ponto biométrico para médicos não resolve problema da Saúde
Lucas Kitão (PSL) | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

As alterações em operações de crédito em contratação pela Prefeitura de Goiânia não foram votadas durante a sessão extraordinária realizada neste sábado, 19, na Câmara Municipal. Embora tenha entrado em plenário, a votação acabou sendo inviabilizada. A sessão foi encerrada pelo presidente da Casa, Romário Policarpo (Patriotas), após fim do tempo regimental. Vereadores se mostraram insatisfeitos com a relação com secretários municipais.

O vereador Lucas Kitão (PSL) chegou a apresentar pedido de diligência para ser enviado ao Banco Central e à Secretaria do Tesouro Nacional para elaboração de um parecer de viabilidade econômica das obras viárias empreendidas pela Prefeitura de Goiânia. Mas o pedido foi recusado por 24 votos a três.

A sessão extraordinária foi realizada a pedido da Prefeitura para avaliação  das alterações solicitadas pela Caixa para liberação dos empréstimo.  O Paço solicitou, em caráter de urgência, que a Câmara apreciasse as matérias até no máximo na manhã de segunda-feira, 21, por avaliar que se o empréstimo não sair à tempo, pode atrasar as obras viárias na cidade.

As alterações solicitadas incluem o aval da União para a assinatura de empréstimos de R$ 780 milhões para investimentos diretamente da Caixa Econômica e autoriza que o banco faça a captação de outros R$ 35 milhões junto ao Bando Interamericano de Desenvolvimento (BID) para modernização da máquina administrativa.

O presidente da Câmara, Romário Policarpo, diz que a urgência na votação se dá devido ao risco de se perder os recursos. “Sabemos que o Governo Federal vive escassez de dinheiro. As cidades que se antecipam podem conseguir esse mesmo empréstimo. Se demorarmos corremos o risco de outra cidade pegar e ficarmos sem”, explica.

Anselmo Pereira (PSDB) diz, por outro lado, que o projeto não foi posto em votação por descontentamento dos vereadores com o Paço. “Não houve cuidado da prefeitura em mandar um projeto que possa ser apreciado com cuidado. Houve o ensaio da peça e o resultado é esse”, metaforizou em referência às reclamações dos vereadores sobre o tratamento recebido por secretários municipais.

O líder do governo na Casa, Oséias Varão (PSB), aponta que o Paço tem maioria suficiente para a aprovação do projeto, mas que os vereadores se aproveitaram do momento delicado para expor insatisfações. “Eles consideram que recebem tratamento ruim de alguns secretários. Mas de maneira geral os vereadores são muito leais à liderança do prefeito Iris, então creio que temos votos suficientes para a aprovação”, afirma.

Entre os projetos viabilizados pelo empréstimo estão a smartcity, no valor de R$ 150 milhões, e R$ 350 milhões para recapeamento de asfalto e ruas da capital, além de obras de infraestrutura como o viaduto sobre a Avenida Jamel Cecílio. Nova sessão foi convocada para a segunda-feira, 21.