Em novo protesto contra gestão Iris, lojistas da 44 fecham ruas da região

Desde o começo do ano, centenas de empresários locais pedem auxílio à prefeitura, que posterga resolução do problema

Protesto na Rua 44, no Centro de Goiânia | Foto: Larissa Quixabeira/ Jornal Opção

Na manhã desta quarta-feira (6/9), dezenas de lojistas da Rua 44, no Centro de Goiânia, fecharam ruas da região em protesto contra a gestão do prefeito Iris Rezende (PMDB). Desde janeiro, a Guarda Civil Metropolitana deixou de auxiliar na fiscalização dos ambulantes, o que revoltou e tem causado prejuízos enormes aos empresários locais.

Em entrevista ao Jornal Opção, a presidente da Associação dos Lojistas da 44, Priscilla Gonçalves, criticou a inércia do Paço, que não demonstra interesse em resolver o impasse. “Estivemos na prefeitura e nos disseram que não podem fazer nada, porque o prefeito ordenou a retirada da guarda municipal, no início do ano. São 150 mil empregos diretos e indiretos gerados aqui na 44. Nos últimos quatro meses, mais de 15 mil pessoas foram demitidas, lojas fecharam, não conseguimos vender”, lamentou.

Priscilla Gonçalves | Foto: Larissa Quixabeira/ Jornal Opção

Em meio aos protestos, a empresária contou que os ambulantes ocupam não só as calçadas, mas as ruas, impedindo passagem de carros, tampam entradas das galerias e afungentam clientes. “As vendas caíram 80%. Somos 12 mil lojistas que pagamos nossos impostos, regularizados e cadastrados. Para se ter ideia, só a 44 gera R$ 10 milhões mensais à prefeitura. Isso não tem valor?”, questionou.

Segundo ela, há casos de lojistas que vendiam R$ 10 mil por dia e hoje não conseguem nem R$ 500. Justamente por isso, os protestos continuarão: na próxima quarta-feira (14/9), haverá uma manifestação na Câmara Municipal de Goiânia.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.