Em Morrinhos, pelo menos sete são presos por tráfico internacional de drogas

Traficantes de drogas sintéticas negociavam vendas via e-mail e mandavam encomendas pelo correio. Produtos viriam da Argentina e Paraguai

Bruno Gama, delegado da Polícia Federal responsável pelas investigações da Operação Flash Back | Foto: Larissa Quixabeira / Jornal Opção

Bruno Gama, delegado da Polícia Federal responsável pelas investigações da Operação Flash Back | Foto: Larissa Quixabeira / Jornal Opção

A Polícia Federal cumpre na manhã desta quinta-feira (20/10) 12 mandados de prisão temporária na cidade de Morrinhos, contra um grupo de tráfico de drogas que anunciava os produtos e negociava com clientes de todo o Brasil. Até o fim da manhã, sete mandados já haviam sido cumpridos.

Em cerca de um ano de investigação, a polícia federal apurou a ação dos traficantes por meio de anúncios em diversos sites e blogs que traziam informações sobre produtos e preços, imagens ilustrativas e e-mail para contato e encomenda. O pagamento das compras eram feitos via depósito bancário e as remessas se LSD, ecstasy e lança-perfume eram enviadas via correio.

Apurações dão conta de que a droga tinha origem na Argentina e Uruguai, por isso os acusados foram presos preventivamente por tráfico internacional de drogas. Segundo o delegado da PF responsável pelas investigações Bruno Gama, as 12 pessoas que foram alvos de mandados de prisão são titulares de 14 contas bancárias utilizadas para receber o pagamento pela venda das drogas.

Também foram expedidos dois mandados de condução coercitiva e seis de busca e apreensão, todos em Morrinhos. Um mandado de busca e apreensão também foi expedido em Goiânia.

De acordo com o delegado, a organização criminosa agia desde 2013. Os próximos passos serão no sentido de elucidar a hierarquia do grupo, ou seja, quem eram os comandantes do esquema, além de desvendar como a droga chegava ao município goiano.

Segundo Bruno Gama, algumas dos investigados já tinham passagem pela polícia por tráfico de drogas e outras tinham parentesco umas com as outras. Os presos estão sendo encaminhados para a sede da Polícia Federal em Goiânia.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.