Em meio a discussão sobre eleição da mesa diretora, sessão da Câmara é prorrogada

Presidente da Casa sobrestou projeto e vereadores acusam manobra

Foto: Fernando Leite

Sessão na Câmara que discutia possível antecipação da eleição da Mesa Diretora da Casa foi prorrogada por mais três horas. O vereador Andrey Azeredo (MDB), presidente da Câmara, sobrestou o projeto que propõe o adiantamento do pleito e os vereadores acusam que a decisão foi uma manobra do atual presidente.

Para o vereador Lucas Kitão (PSL), Andrey teria se sentido fragilizado pela proposta e usado de seu posto para barrar a matéria. “É simplesmente uma manobra rasteira do presidente da Casa, que não concorda com a ideia, e usou de um artigo regimental para atender à sua conveniência”, acusou.

O projeto do vereador Vinicius Cerqueira (PROS) prevê a antecipação da eleição da mesa diretora da Câmara para o início de dezembro, após a primeira sessão ordinária do mês e não mais depois da última, como de costume. Aprovada por unanimidade pela Comissão Mista, presidida por Kitão, na segunda-feira (12/11), a matéria foi para apreciação do plenário nesta terça-feira (13/11).

Durante a apreciação, o presidente da Casa sobrestou o projeto, alegando que estaria cumprindo o regimento. O vereador Carlin Café (PPS) teria apresentado uma proposta pedindo a prorrogação da eleição para o dia 1º de fevereiro e Andrey Azeredo disse, na sessão desta terça, que a Comissão Mista teria que considerar esse outro projeto antes de votar a antecipação.

No entanto, Kitão afirma que a comissão seguiu o rito normalmente. “Recebemos os dois projetos, que foram devidamente relatados pela procuradoria da Casa e pelo procurador destacado pela comissão”, disse.

O vereador Clécio Alves (MDB) argumentou, ainda, que o regimento recomenda que, quando há dois projetos com temas similares, a comissão tem que seguir a ordem cronológica. “E a matéria do Carlin Café chegou depois da proposta do Vinicius, mas também está sendo apreciada na Comissão Mista”, defende.

Segundo Kitão, os vereadores vão procurar meios para incluir a matéria novamente ou inverter a decisão do presidente. “O plenário é soberano e pode reverter a decisão mesmo após a retirada”, disse.

De acordo com ele, os vereadores aprovaram um requerimento e a sessão foi prorrogada por mais três horas, tempo que vão utilizar para tentar convencer o presidente de que está errado em sobrestar o projeto e para provocar os companheiros para que a matéria seja votada.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.