Em meio à crise financeira, Estado tem valores bloqueados pela justiça

Sentença determina que OS, responsável pela gestão dos institutos tecnológicos (Rede Itego) como o Basileu França, deve receber valor atrasado e quitar dívidas

Basileu | Foto: reprodução

Em decisão proferida na última segunda-feira, 14, o juiz titular da 9ª Vara do Trabalho, Antônio Gonçalves Junior determinou, em caráter de urgência, que R$ 2.148.662,10 pertencentes ao Estado de Goiás sejam bloqueados para quitar dividas com o Centro de Gestão Continuada em Educação (Cegecon). O valor é referente a salários atrasados e o 13º salário de 2018.

A Cegecon é a Organização Social (OS) responsável pela gestão dos institutos tecnológicos (Rede Itego) Basileu França, Goiandira Ayres Couto e Jerônimo Carlos do Prado. A OS estava sem receber repasses do governo estadual desde o final de 2018, e havia parado de pagar os professores. A defesa do estado alegou, durante o processo, que não seria possível estabelecer uma data exata para regularização em razão da crise financeira.

Apesar da alegação, a procuradora responsável pelo caso, Milena Cristina, diz que a conduta do governo prejudica os trabalhadores ao retirar direitos básicos, como o 13º salário, e por isso solicitou caráter de urgência a partir da decisão. Na sentença, o juiz Antônio Gonçalvez  determinou ainda multa diária de R$ 10 mil caso o repasse da verba não seja efetivado.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Durval Barbosa de Araújo

Gente. Chequem os comissionados que são milhares. Que irão breceber agora na folha de janeiro. Entraram agora e os que são concursados ficarão sem salário s de dezembro. Piada.