Nove mesas de sinuca e 14 churrasqueiras são apreendidas no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia

Itens foram encontrados somente na Casa de Prisão Provisória. Aparelhos celulares ou drogas não foram vistos na Penitenciária Odenir Guimarães

A primeira inspeção no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia desde que a crise no sistema prisional se tornou evidente levou da Penitenciária Odenir Guimarães – onde ficam os presos de regime fechado – 14 churrasqueiras e nove mesas de sinuca. O objetivo principal era recolher celulares, drogas, e outros objetos ilícitos dentro das unidades, entretanto, na Penitenciária Odenir Guimarães nenhum aparelho celular ou droga foi apreendido. Já na Casa de Prisão Provisória (CPP) foram encontrados 46 aparelhos celulares e 2,4 kg de maconha.

Em entrevista ao Jornal Opção Online na manhã deste sábado (21/6), o superintendente-executivo da Secretaria da Segurança Pública (SSP-GO), coronel Edson Costa de Araújo, afirmou que viu a inspeção como uma grande avanço. “Essas mesas estavam lá há anos, o que mostra que o governo de Goiás está inovando. Uma crise sempre é ruim, mas serve para que haja melhorias.”

Entretanto, questionado se a permanência de churrasqueiras e mesas de sinuca eram ilegais, o coronel afirmou que não, e disse: “Olha, sinceramente, não é ilegal, mas não convém. Eu não concordo com uma mesa de sinuca na prisão. Existem outras atividades que podem ser praticadas pelos detentos.” De acordo com ele, é melhor exagerar do que não realizar ações. “Podemos até estarmos exagerando agora, mas é apenas para estabelecer a ordem no sistema”, explicou.

O coronel Edson Costa afirmou que na próxima semana irá estabelecer uma equipe para estudar as leis a fim de regulamentar o que pode ou não ficar em todas as prisões do Estado. De acordo com ele, um recadastramento das pessoas que visitam detentos será feita. “Queremos ter certeza de que somente familiares estão entrando no complexo”, disse o superintendente, que explicou que pretende deixar um prazo de 45 a 60 dias para que as pessoas se recadastrem.

Edson afirmou que irá se reunir na próxima segunda-feira (23/6) com um grupo da secretaria para estabelecer um cronograma para tudo que ainda deve ser feito para a melhoria do sistema, como por exemplo a compra de equipamentos eletrônicos. “Esses equipamentos evitam o constrangimento dos presos, além de ser mais seguro, já que mesmo com a revista eles escondem em alguns lugares que não tem como o agente ver”, disse o coronel.

A crise

As medidas estão ocorrendo após a veiculação no último domingo (15) de uma reportagem no programa “Fantástico”, da Rede Globo, mostrando presos goianos tendo acesso a regalias dentro da Penitenciária Odenir Guimarães (POG), em Aparecida de Goiânia. Na segunda-feira (16),  Edemundo Dias, então secretário de Administração Penitenciária e de Justiça de Goiás (Sapejus), e do superintendente-executivo da pasta Antônio Carlos de Lima, foram exonerados. Ainda na segunda-feira (16) o governador Marconi Perillo (PSDB) decretou estado de emergência em relação ao sistema prisional goiano. De acordo com o tucano, os fatos ocorreram concomitantemente, mas o decreto não foi motivado pela matéria.

A crise que foi colocada em evidência resultou em uma reunião na última quinta-feira (19) com diretores da Secretaria de Administração Penitenciária e Justiça (Sapejus) para discutir medidas relacionadas à organização do sistema prisional. Na ocasião o grupo estabeleceu metas que começaram a ser cumpridas ainda na quinta-feira, sendo uma delas as inspeções manuais enquanto o equipamento eletrônico não fosse adquirido.

Deixe um comentário