Em Goiás, médico é condenado a dez anos de prisão por abusar de pacientes

Pelo menos duas mulheres atendidas por ele tiveram suas partes íntimas apalpadas durante atendimento em consultório

A juíza Danila Le Sueur condenou, na última sexta-feira (19/5) um médico do Hospital Municipal de Pontalina a dez anos de reclusão em regime inicialmente fechado por ter cometido atos libidinosos em serviço. Duas pacientes atendidas por ele denunciaram terem sido assediadas durante consulta no local.

Segundo a denúncia do Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO), o relato das duas foi parecido: Ao entrarem na sala de consultas, o plantonista começou a apalpar as partes íntimas delas. Ambas deixaram o consultório e resolveram denunciar o médico.

Na defesa, os advogados do médico alegaram ausência de provas, mas a juíza avaliou que a materialidade foi comprovada nos boletins de ocorrência, nos prontuários e nos depoimentos colhidos durante as investigações. Para ela, o médico usou de sua profissão e de sua posição para praticar os atos libidinosos (Com informações do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás).

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.