Em Goiás, mais de 60% das famílias não autorizam doação de órgãos

Estado é o terceiro do país em que mais há recusa familiar

Para a Central de Transplantes de Goiás, 2017 foi um ano de recordes.  Houve aumento no número de doações efetivas e todas as estatísticas anteriores foram ultrapassadas. O estado ainda se manteve com o maior número do país em transplantes de córnea por milhão de população.

Mas, nem tudo são flores. Goiás também é o terceiro estado do país em que as famílias mais recusam a doar órgãos do parente com morte encefálica. Por lei, a doação só pode acontecer mediante autorização da família.

Apesar de ser um gesto que pode salvar vidas, em 2016, mais de 67% das famílias goianas não autorizaram que os órgãos do familiar morto fossem doados. Em 2017, houve uma pequena redução e o índice deve ficar pouco acima dos 60%.

Segundo o gerente da Central de Transplantes, Dr. Fernando Augusto Ataíde, muitas recusas ainda acontecem pelo fato de a família querer manter íntegro o corpo do familiar ou pelo doador nunca ter se manifestado em vida.

No entanto, Dr. Fernando explica que um trabalho de conscientização tem sido feito junto às famílias, além de campanhas corpo a corpo, palestras em escolas, universidades, igrejas e
centros comunitário para fornecer informações e esclarecer a sociedade sobre o assunto de doação de órgãos e tecidos,

Para ele,  a taxa de não consentimento familiar também tende a reduzir à medida em que a população passa a acreditar mais nos serviços prestados.

“A partir do momento que conseguimos dar uma credibilidade para a população com relação aos serviços prestados, que a família é melhor acolhida nesse momento difícil, que vê a transparência desse processo que tem regras rígidas, a taxa de recusa vai diminuindo”, analisa.

Estatísticas

Em 2017, o serviço de transplantes aumentou consideravelmente no estado. O Hospital Estadual Alberto Rassi (HGG), foi habilitado, este ano, para fazer transplante de rins.

A iniciativa garantiu  o crescimento dos transplantes renais. Em menos de nove meses, mais de 80 rins foram transplantados pela unidade que, agora,  também está ativando o transplante de fígado.

Em números gerais, foram 72 doações efetivas realizadas em 2017. No ano anterior, o número foi de 46.

Só até novembro de 2017, foram 976 transplantes de córneas no estado. O número fez com que Goiás se consolidasse como o maior transplantador de córnea por milhão de população do país.

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.