Em Goiás, mais de 1.500 profissionais da saúde foram contaminados com Covid-19

Para presidente do Sindsaúde, Ricardo Manzi, números da SES-GO não revelam real problema, já que profissionais não estão sendo testados

Enfermeiros estão na linha de frente no combate ao coronavírus | Foto: Reprodução

Dentre todos os 20.116 casos confirmados até o momento de Covid-19 em Goiás, levantamento da Secretaria Estadual de Saúde (SES-GO) aponta que 7,6% deles são profissionais que atuam no enfrentamento da doença. Com 384 óbitos ocasionados pelo novo coronavírus e 51.507 suspeitos, o Estado vê 1.523 de seus profissionais de saúde contaminados, dentre os quais oito vieram à óbito.

Na capital, 14% dos registros de infectados pela Covid-19 atuam na área da saúde, dentre os quais, 31% são técnicos em enfermagem, 22% são médicos, 15% enfermeiros e o restante atuam em outras áreas dos hospitais. Em números palpáveis, os registros somam 880 profissionais contaminados apenas em Goiânia.

Em conversa com o presidente do Sindicato dos Profissionais da Saúde do Estado de Goiás (SindSaúde), Ricardo Manzi, para ele, os dados levantados pela SES-GO não apresentam a realidade das contaminações dos profissionais, já que não há uma testagem massiva deste segmento.

“Não temos a real situação dos contaminados entre funcionários da saúde, até porque fizeram pouca testagem entre esses profissionais na área pública e privada. Inclusive, já é uma cobrança, desde o início, do Sindsaúde, inclusive judicialmente, que se garanta a testagem de todos os profissionais de saúde. Assim, teríamos condições de ter efetivamente dados concretos em relação às contaminações”, avaliou.

“Os profissionais da saúde não estão sendo testados continuamente, só os trabalhadores que apresentam sintomas clínicos para a covid-19. O Sindsaúde enviou inúmeros ofícios para SES e SMS solicitando a testes contínuos para trabalhadores da saúde, inclusive para os assintomático”, explica.

Ele critica a exclusão das entidades sindicais dos debates por parte das administrações estaduais e municipais. “Não conseguimos garantir a representação dos trabalhadores no Comitê de Operações Estratégicas (COE), que tem representação até de segmentos empresariais, mas não tem representação de trabalhadores da saúde. Não dão direito à voz dos trabalhadores. Isso me preocupa muito”, apontou.

“Criamos até um Comitê Intersindical de Defesa dos Trabalhadores de Saúde no Enfrentamento à Pandemia e tentamos oficialmente dialogar com o Estado e município de Goiânia e não conseguimos”, disse ao Jornal Opção.

Entretanto, o Sindsaúde continua lutando para tentar proteger os profissionais que atuam no enfrentamento da pandemia dentro dos hospitais. “Estamos visitando as unidades, dialogando com os trabalhadores e trabalhadoras, orientando sobre seus direitos em relação a questão do afastamento dos grupos de risco, equipamentos de proteção individual, entre outros”, informou o presidente.

“Notificamos todas as denúncias que recebemos por meio do canal de denúncias no Ministério Público do Trabalho, Ministério Público de Goiás. Conferimos êxito em uma ação obrigando a garantia dos EPIs e afastamento dos grupos de risco e estamos aguardando a garantia de testagem de todos os profissionais de saúde. São diversas ações, desde ações para os trabalhadores em seus locais de trabalho até ações judiciais para garantir a segurança e as medidas de proteção aos trabalhadores”, acrescentou Manzi.

Uma resposta para “Em Goiás, mais de 1.500 profissionais da saúde foram contaminados com Covid-19”

  1. Marcelo Mauriz Pinheiro disse:

    Infelizmente nós da saúde sabemos dos riscos da profissão, é uma doença nova e com muitas perguntas sem respostas. Mas somos guerreiros e guerreiras e não nos furtaremos à nossa escolha profissional. Apenas gostaríamos de que a sociedade reconhecesse todos os profissionais de saúde e não apenas uma profissão, pois todos são importantes em seus papéis para a sociedade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.