Em Goiás, comitiva do Ministério da Saúde da Dinamarca elogia Conecta SUS

Missão do país europeu faz parte de cooperação Setorial Estratégica Internacional entre Brasil e Dinamarca para apoiar a gestão eficiente da saúde no Brasil

Gerente do Conecta SUS, Jean Pierre apresenta programa à comissão da Dinamarca | Foto: Reprodução / SES

Representantes do Ministério da Saúde da Dinamarca se impressionaram com a logística de alimentação e monitoramento de 213 indicadores de saúde pelo Centro de Informações e Decisões Estratégicas em Saúde – Conecta SUS Zilda Arns Neumann. O projeto da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO) permite a concentração dessas informações estratégicas para a gestão do SUS por compilação, compartilhamento e análise dos indicadores de saúde, fomentando discussões internas e externas com os diversos parceiros e setores institucionais.

“Minha primeira impressão desse trabalho é muito positiva pela forma como as informações chegam até os gestores que ficam aptos para tomar decisões precisas. E vimos, também, a utilização na prática dessa tecnologia para melhorar a saúde pública da população”, disse a conselheira na área da Saúde da Embaixada da Dinamarca Brit Borum Madsen.

O sistema de saúde dinamarquês é essencialmente público e gratuito e todo cidadão residente no país tem acesso a ele. A Dinamarca foi considerada em 2011, o país com menor índice de desigualdade social do mundo. O país nórdico, localizado na Europa setentrional possui 43 mil quilômetros quadrados e uma população estimada em mais de 5 milhões de habitantes.

Os técnicos dinamarqueses apresentaram grande interesse ao serem apresentados à Força Tarefa “Goiás contra o Aedes”, que só no ano passado realizou mais de 15 milhões de visitas domiciliares, em parceria com o Corpo de Bombeiros Militar para eliminar focos do mosquito Aedes Aegypti. “Graças a esse trabalho conseguimos diminuir em 80% o número de casos de dengue, em comparação com janeiro de 2016 e 2017, e mais de 20% do índice de infestação do vetor no Estado”, disse o secretário de Estado da Saúde, Leonardo Vilela.

A comitiva dinamarquesa estava acompanhada por técnicos do Ministério da Saúde brasileiro. Thiago Berteli, do departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas (DRAC), da Coordenação-Geral dos Sistemas de Informação do Ministério da Saúde, avalia que as reuniões da comitiva dinamarquesa, que também foram realizadas nas cidades de Manaus, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Maceió permitem a identificação de diagnósticos para a melhoria dos processos de gestão.

“É uma prioridade do Ministro da Saúde, Ricardo Barros,  qualificar informação e melhorar a gestão de forma eficiente para todos. Assim, vimos aqui no Concecta SUS elementos que nos permitem uma visão boa de como fortalecer uma gestão eficiente, transparente, qualificada e detalhada.”, resumiu.

Resultados práticos

Leonardo Vilela apresentou exemplos emblemáticos da importância do uso dos dados oferecidos pelo Conecta SUS. “Pelo sistema pudemos descobrir com antecedência a iminência de um agravamento dos casos de influenza em Goiás. Assim, agimos rápido e antecipamos a oferta de vacinas para nossa população”, citou.

Outro exemplo citado é relativo a mortalidade infantil. “Por meio desse sistema,  percebemos que 76% da mortalidade infantil, em Goiás, ocorrem em 30 municípios, especificamente. Essa avaliação permitiu que buscássemos a qualificação de profissionais de Saúde nessas localidades e a compra de equipamentos para salas de parto desses municípios, bem como a assistência e transporte do recém-nascido. Estamos investido nesses pontos”, salientou.

A missão da Dinamarca faz parte de cooperação Setorial Estratégica Internacional entre Brasil e Dinamarca para apoiar a gestão eficiente da saúde no Brasil. Essa cooperação visa assegurar acesso rápido e universal a serviços e produtos de saúde de qualidade, por meio do apoio ao desenvolvimento de uma gestão da saúde mais eficiente no Brasil. O apoio nessas áreas ajudará o Ministério da Saúde no atual processo de elaboração de uma estratégia de e-saúde e apoiará a implementação da Política Nacional de Informação e Informática em Saúde (PNIIS).

Essa política define os princípios para promover a interoperabilidade dos sistemas de informação em saúde e dados padronizados de modo a permitir a criação de um repositório comum de dados, proporcionando assim, a base para a gestão mais eficiente da atenção à saúde.

Deixe um comentário