Em Goiânia, ministro defende reforma trabalhista e diz que Brasil retomou crescimento

Durante lançamento de programa de incentivo à economia solidária, Ronaldo Nogueira afirmou que proposta moderniza legislação e garante direitos do trabalhador

Em Goiânia nesta segunda-feira (5/6) para o lançamento do Programa de Ações Integradas em Economia Solidária de Goiás, o ministro do Trabalho Ronaldo Nogueira (PTB) defendeu a reforma trabalhista do presidente Michel Temer (PMDB). Segundo ele, a medida moderniza a legislação brasileira e garante direitos do trabalhador.

“A modernização da legislação trabalhista vem ancorada em três eixos: Primeiro, é consolidar direitos. O segundo é segurança jurídica e o terceiro é geração de emprego”, afirmou. “O Brasil como um todo tem a consciência da necessidade de votação dessa proposta. A Câmara cumpriu o seu papel e o Senado também vai votar. O Brasil não parou, o governo não parou.”

Questionado sobre pontos que devem ser alvo de pedido de veto por parte do relator da proposta do Senado, Ricardo Ferraço (PSDB-ES) o ministro não quis se antecipar. “Precisamos aguardar aquilo que o Senado vai deliberar, qual é o formato em que deverá devolver a proposta ao governo e depois a equipe técnica deverá avaliar ponto a ponto”.

Para ele, questões como a jornada intermitente e o trabalho de gestantes em atividades insalubres, alguns dos que devem estar na lista de Ferraço, não são o foco: “Esses pontos mínimos que precisarão por ventura serem aprimorados no futuro, vamos deixar para o tempo certo. Há um consenso entre sociedade civil, governo e Congresso Nacional: Nós precisamos gerar empregos”, defendeu ele.

Na entrevista, Ronaldo também destacou os números apresentados pelo Governo Federal nos últimos dias: “Em 2017, já tivemos números positivos de 35 mil postos de trabalho: Em abril, tivemos números positivos de 59 mil postos. Tivemos indicativos de que o PIB apresentou crescimento de 1%. É um indicativo claro de que a economia do país retoma e a geração de empregos começa a acontecer”.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.