Em Goiânia, ministro anuncia novos recursos para Saúde no Estado de Goiás

Ao lado do ministro Aldo Rebelo, Arthur Chioro participou da abertura do 11º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva. Esta é a terceira visita do auxiliar a Goiás, apenas em julho

Arthur Chioro, durante discurso na abertura do Abrascão 2015 | Foto: Reprodução/Facebook

Arthur Chioro, durante discurso na abertura do Abrascão 2015 | Foto: Reprodução/Facebook

Em visita a Goiânia, nesta terça-feira (28/7), o ministro da Saúde, Arthur Chioro, informou que o governo federal pretende continuar com os investimentos em unidades de Saúde do Estado, como uma espécie de “cofinanciador”, a exemplo do que foi anunciado recentemente para o Hospital de Urgência Governador Otávio Lages de Siqueira (Hugol).

“Esse é um compromisso da presidente Dilma Rousseff. Temos a responsabilidade de fazer o cofinanciamento das ações efetuadas pelas prefeituras e pelo Estado. O SUS depende dessa integração. Não podemos pensar em avanços remando cada um para um lado”, afirmou Chioro.

O auxiliar disse também que todos os Estados da Federação e o Distrito Federal vêm preparando uma lista de prioridades para negociar investimentos com o ministério. “Vivemos um momento de dificuldade econômica, por isso, temos que usar cada centavo da maneira mais qualificada possível”, acrescentou.

Acompanhado do ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aldo Rebelo, e do prefeito de Goiânia, Paulo Garcia (PT), Arthur Chioro participou da abertura oficial do 11º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, realizado no Campus Samambaia da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Esta é a terceira visita do ministro da Saúde ao Estado de Goiás, apenas no mês de julho. No último dia 6, ao lado do governador Marconi Perillo (PSDB), Chioro prestigiou a inauguração do Hugol, anunciando o custeio anual de R$ 92 milhões para manutenção da unidade por parte do governo federal. Poucos dias depois, o auxiliar também participou da inauguração de uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), no município de Aparecida de Goiânia.

Em entrevista coletiva, o ministro disse que o Estado de Goiás está conectado aos projetos de Saúde do governo federal. “Não só o Estado, mas as prefeituras também têm muita sinergia com o Ministério da Saúde e o SUS. Isso é muito importante para melhorar a qualidade do atendimento à população”, esclareceu.

PEC 451

Durante o evento, Chioro falou ainda sobre a PEC 451, de autoria do deputado Eduardo Cunha (PMDB), que determina que os empregadores deverão fornecer plano de saúde aos seus empregados. Segundo o ministro, o governo vai lutar com todas as forças para impedir o projeto, que considera um retrocesso.

Chioro disse que a aprovação da PEC é uma afronta ao direito do cidadão ao acesso universal à saúde pública. Para ele, a proposta é um retrocesso na conquista que foi atingida com o Sistema Único de Saúde (SUS).

Eduardo Cunha baseou-se no Artigo 6º da Constituição, que diz que a saúde é um direito de todos, para justificar seu projeto.  O ministro, no entanto, ressaltou o Artigo 196, em que consta que “a saúde é direito de todos e dever do Estado”, para basear sua concepção de que a aprovação desta PEC é uma involução.

Abrascão

Abertura oficial do Abrascão 2015, no Centro de Eventos da UFG |Foto: Reprodução/Facebook Abrasco

Abertura oficial do Abrascão 2015, no Centro de Eventos da UFG |Foto: Reprodução/Facebook Abrasco

O 11º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, conhecido como “Abrascão”, é uma iniciativa da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco). O simpósio teve início na última segunda-feira (27) e vai até o dia 1º de agosto, e traz o tema “Saúde, Desenvolvimento e Democracia: o desafio do SUS universal”. A expectativa é que milhares de trabalhos sejam apresentados, além da realização de mesas-redondas, palestras e conferências com especialistas nacionais e internacionais.

Segundo Arthur Chioro, o congresso possui uma função fundamental no planejamento da área da Saúde em médio prazo, sobretudo no que diz respeito às discussões em torno do novo Plano Nacional de Saúde, que irá passar a valer em 2016. “Trazemos o posicionamento do Ministério da Saúde, que é de reforçar a participação da sociedade civil e das entidades no processo de formulação política da Saúde”, pontuou.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aldo Rebelo, também participou da abertura oficial do Abrascão, na noite desta terça-feira. Em entrevista, ele enalteceu a tradição do congresso na área de pesquisa em Saúde e lembrou da importância do Estado de Goiás para o setor. “Temos uma presença importante de bolsistas e pesquisadores, inclusive aqui no Estado”, disse.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.