Em evento com Pezão, viúva de Marielle cobra conclusão de investigações

Governador do Rio foi recebido no evento sob vaias

Durante a reabertura da Biblioteca Parque de Manguinhos, que a partir de hoje terá o nome da vereadora assassinada Marielle Franco, a viúva da vereadora, Mônica Tereza Benício, cobrou do governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, a conclusão das investigações sobre a morte da parlamentar, que completa 15 dias hoje.

“Seu governador, desculpe, mas há sangue nas suas mãos e nas mãos de todos que estão aqui, enquanto o caso da Marielle não for resolvido”, disse Mônica ao lembrar que Marielle lutava por causas importantes que continuarão a ser defendidas. “Tentaram matar uma mulher e ressuscitaram uma esperança. Marielle vive e vai continuar lutando pelas bandeiras que acreditava”.

Presente no evento, o governador Luiz Fernando Pezão recebeu vaias ao subir ao palco e, ao final da cerimônia de reabertura da biblioteca, comentou a declaração de Mônica e as vaias. “Vejo com naturalidade. Eu não matei ninguém. Não atiro em ninguém”, disse.

Pezão assegurou que as investigações sobre o crime estão sendo conduzidas com muito rigor e por profissionais capacitados: “O Rivaldo [Rivaldo Barbosa, chefe da Polícia Civil do Rio] é um extraordinário policial que vem dessa área de investigação. Está com diversas equipes. Não está faltando a integração com a inteligência das Forças Armadas, da Abin, de todos os órgãos. Tenho certeza que ele vai elucidar. Agora, este é um trabalho da polícia. Deixa a polícia trabalhar. Eles não podem falar sobre o andamento das investigações para não prejudicar. Eles estão trabalhando arduamente 24 horas por dia. Qualquer informação que a gente der é muito ruim. Pode atrapalhar a investigação”, apontou.

Biblioteca

Por causa da crise financeira do estado do Rio, a biblioteca-parque estava fechada desde dezembro de 2016. A sugestão de dar o nome da vereadora ao espaço, que segundo o governo do estado, foi aceita pela família dela, partiu da Secretaria de Estado de Cultura. A intenção é homenagear a trajetória de Marielle, “que lutou em defesa dos direitos humanos e viveu no Complexo da Maré, comunidade com problemas semelhantes aos de Manguinhos”.

Para Pezão, dar o nome de Marielle Franco à biblioteca é uma forma de perpetuar em uma comunidade pobre como a da Maré, onde a vereadora cresceu, o combate à violência. “Mostrar que em todas essas comunidades, todos esses locais, a gente vai combater a violência através da educação, da cultura. (…) Ter este nome aqui tem este simbolismo, da resistência, da luta e pela igualdade entre as pessoas.”

A companheira de Marielle elogiou a reabertura do local, mas ponderou que é obrigação do Estado oferecer serviços deste tipo nas comunidades. “Esse projeto é importante que aconteça, mas não é nada menos do que obrigação do Estado que este tipo de serviço seja mantido e feito às nossas crianças faveladas, aos negros, às negras, porque essas eram as bandeiras de Marielle”, afirmou.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.