À Rádio 730, Prefeito reclamou da omissão de seu então padrinho político em episódios de críticas à sua administração, protagonizados principalmente por Agenor Mariano

paulo_garcia (13)
Paulo também falou com tranquilidade sobre aproximação com governador Marconi Perillo | Foto: Fernando Leite/ Jornal Opção

O prefeito Paulo Garcia (PT) se elegeu em 2012 com o apoio de Iris Rezende (PMDB), depois de ter sido vice do último mandato na Prefeitura de Goiânia. A aliança entre os dois, no entanto, está claramente desgastada, a julgar por declarações recentes de ambos os lados.

A vontade de parcela dos partidos dos dois em romper a parceria vem se evidenciando mesmo no discurso de Paulo e Iris, considerados até pouco tempo atrás grandes aliados.

[relacionadas artigos=”53721″]

Em entrevista nesta quarta-feira (27/1) à Rádio 730 AM, Paulo confirmou seu distanciamento de Iris e criticou postura do peemedebista. Duro quanto às declarações de seu vice-prefeito, Agenor Mariano (PMDB), Paulo Garcia comentou reclamações e falou com tranquilidade sobre sua relação com o governado Marconi Perillo (PSDB).

Se dizendo bastante afetado com o abalo de sua relação com Iris Rezende, Paulo também ressaltou que recebe com surpresa as críticas iristas à sua gestão. “Eu sempre o consultei quando a administração tinha tomar decisões importantes. Ele me ligava quase que diariamente pra abordar temas que ele defendia. O Iris nunca externou nenhum descontentamento a mim sobre nenhum assunto”, garantiu, dizendo não entender o posicionamento do ex-prefeito.

Paulo deixou claro que o principal motivo do afastamento é a omissão de Iris Rezende quanto aos comentários. “É verdade, nós estamos mais distantes. Muito por conta dos ataques que alguns membros do PMDB fazem a nossa administração”, disse ele. “Com muita dor no coração, eu não vi uma declaração do Iris desautorizando estes ataques”, reclamou.

Aliança PT-PMDB

“Penso que se o PMDB quer romper com o PT, essa não é a maneira correta”, declarou Paulo. “Hoje a população exige muita transparência dos nossos atos. O PMDB faz parte da nossa administração, é corresponsável pela administração”, lembrou ele, acrescentando que, quando a aliança foi firmada, foram realizadas diversas discussões de ideias e projetos entre os dois partidos.

Questionado se queria que a aliança seguisse em frente, Paulo disse estar preocupado com o projeto que apresentará para a população, sem marcar claramente seu posicionamento sobre o PMDB. “Eu penso que quem tem que responder isso pra vocês, pelos atos, atitudes e manifestações é o PMDB”, provocou, “Eu não mudei”.

Relação com Marconi Perillo

Paulo também minimizou as críticas de Iris quanto a sua aproximação com o governador. “A minha relação com o governador não é uma relação de aliança política, é normal que gestores públicos se reúnam para discutir temas de interesse do povo”, destacou ele.

“O próprio Iris fazia isso quando era prefeito, é só você pegar os jornais da época e ver, lá tem fotos de Iris e Marconi reunidos, faz parte da responsabilidade de administrar”, alfinetou ele. Para Paulo, a relação com Marconi é “administrativa, republicana e salutar”. “Outros prefeitos, inclusive do PMDB, também o fazem. O que o povo quer é a solução dos problemas”, concluiu.