Em delação, marqueteira afirma que “Dilma Bolada” recebeu R$ 200 mil de propina

Mônica Moura disse que ex-presidente ficou “furiosa” quando o perfil foi tirado do ar e ordenou que ela e seu marido, João Santana, fizessem o pagamento

Pelo Facebook, Jeferson ironizou as acusações | Foto: Roberto Stuckert Filho/ PR

A publicitária Mônica Moura afirmou, em delação premiada, que o Jeferson Monteiro, o criador da página “Dilma Bolada” no Facebook, recebeu R$ 200 mil oriundos de propina. Também de acordo com ela, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) teria ficado “furiosa” quando ele retirou suspendeu o perfil em meio à campanha da reeleição em 2016 e mandou que Mônica e seu marido, João Santana resolvessem o problema.

Mônica afirmou ter sido procurada pelo ex-ministro e atual prefeito de Araraquara (SP), Edinho Silva (PT), que autorizou que ela pagasse Jeferson para voltar com as postagens elogiando o Governo Federal. Ela então teria ligado para o criador da página e combinado que um funcionário o encontraria pessoalmente. O dinheiro teria sido entregue em espécie.

Pelo Facebook, Jeferson ironizou as denúncias: “Pelos meus cálculos, eu já teria que ter, no mínimo, R$1,7 milhão de reais na conta: R$500 mil segundo a Revista Época, R$1 milhão segundo Marcelo Odebrecht e agora mais R$200 mil segundo Monica Moura”, escreveu. “Alguém, por gentileza, me avisa onde que tenho que retirar a quantia porque estou com o aluguel atrasado e o telefone cortado”, concluiu ele.

Em nota, Dilma também negou as afirmações. Ela elogiou o retiro do sigilo e disse que tanto Mônica quanto João Santana “prestaram falso testemunho e faltaram com a verdade em seus depoimentos, provavelmente pressionados pelas ameaças dos investigadores”. “Apesar de tudo, a presidente eleita acredita na Justiça e sabe que a verdade vira à tona e será restabelecida”, conclui a assessoria da petista.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.