Em comunicado, militante do PT diz que servidores da educação simularam desmaio durante convenção

O militante do Partido dos Trabalhadores (PT) Leandro Dias Barbosa resolveu dar a sua versão sobre o episódio de confronto envolvendo petistas e servidores da educação em greve. O conflito ocorreu durante a convenção estadual da legenda, na última sexta-feira (27/6). Conforme um boletim de ocorrência registrado pela categoria nesta segunda-feira (30), Leandro seria o responsável por “incitar” a confusão.

No entanto, em comunicado destinado ao Jornal Opção Online, o petista alega que a reação da militância foi a maneira encontrada de “defender a sua convenção”. Leandro atenta para uma suposta “má intenção” por parte dos manifestantes, que enquanto invadiam o local, já estariam a postos para filmar “falsos desmaios”.

Na ocasião do confronto, diversos petistas e partidários realizavam na Assembleia Legislativa a convenção para a homologação da candidatura de Antônio Gomide ao governo do Estado. Os servidores da Educação, em greve desde 26 de maio, foram ao local protestar já que não estariam sendo recebidos pelo prefeito de Goiânia, Paulo Garcia (PT). Após tentativa de invasão, os militantes petistas revidaram com socos e empurrões, deixando manifestantes feridos e sangrando.

Confira na íntegra o comunicado de Leandro Dias Barbosa:

Meu nome é Leandro Dias Barbosa e venho, em direito de resposta que este jornal me concede numa atitude exemplar, desmentir alguns absurdos que têm sido veiculados por membros do comando da greve de uma minoria de servidores da educação.

Sou militante do partido dos trabalhadores desde 2003. Passei por alguns mandatos do partido, hoje não tenho vinculo empregatício com nenhum. A minha presença na atividade do Partido dos Trabalhadores não era remunerada, estava ali como tantos/as outros/as comemorando um momento muito importante para essa militância. Uma atividade para filiados/as, foi invadida por um grupo que tinha como intenção atrapalhar esse momento, a solicitação de retirada, reagiram com provocações e  agressões  tentando causar o tumulto planejado previamente.

A reação da militância foi de defender a sua convenção. Se existe o direito ao protesto, o qual defendemos incisivamente, há também o direito de se vincular a um partido politico e não ser execrado por isso como se tentou  fazer na convenção, onde tentaram rasgar a nossa bandeira e desqualificar o partido e o fazem agora colocando meu nome nas redes sociais e em jornais..

A má intenção era tanta que enquanto invadiam e agrediam o cinegrafista estavam a postos para filmar os falsos desmaios para que se produzisse um vídeo que está sendo veiculado pelos mesmos, onde eu apareço puxando palavras de ordem contra essa atitude, já que foi assim que aprendi com o Partido dos Trabalhadores a me manifestar!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.