Em carro de luxo, cantor negro é abordado por PM com arma no rosto

Durante travessia de balsas entre Santos e Guarujá, Jean William, de 36 anos, teve de confirmar que veículo era dele e que não levava drogas

Jean William sofreu abordagem brusca em travessia de balsas entre Santos e Guarujá | Foto: Reprodução

Um cantor lírico negro, de 36 anos, foi surpreendido durante a travessia de balsas entre as cidades de Santos e Guarujá, no litoral de São Paulo, com uma abordagem, considerada brusca por ele, por parte da Polícia Militar.

Ele foi questionado se o carro de luxo que dirigia era dele e se estaria levando drogas dentro do veículo. Em desabafo, o cantor aponta as consequências do racismo estrutural no cotidiano de pessoas negras.

Jean Willian é tenor e trabalha com o maestro João Carlos Martins, um dos maiores do país. Na quinta-feira, 27, ele e um amigo combinaram de passar o dia na praia, em Guarujá, mas, no caminho, foram surpreendidos com a abordagem policial.

O veículo dirigido pelo cantor estava estacionado já dentro da balsa que realiza a travessia. Os dois amigos estavam conversando, quando Jean olhou para a frente e se deparou com um policial militar apontando um revólver em sua direção.

O mesmo policial, que estava com pelo menos outros três PMs, gritava para Jean, questionando se o carro era dele e “se havia drogas dentro do veículo”.

“Levantei as mãos e tentei não fazer nenhum movimento que excedesse o mínimo”, relatou o músico ao portal G1 por telefone. Os amigos foram obrigados a descer do carro, que foi rapidamente revistado pela equipe policial. “Olharam mais ou menos. Abriram o porta-malas e viram que tinha duas cadeiras de praia”, lembra.

Jean disse que foi questionado sobre drogas, se o carro que dirigia era dele e se ele já foi preso alguma vez. Ele também disse que teve seus documentos verificados. Quando ambos responderam sobre suas profissões – cantor lírico, e o amigo, farmacêutico –, os policiais cessaram a abordagem agressiva, segundo Jean conta. “Percebi, na minha leitura, que eles ficaram com uma cara de que não era ali que estava o que buscavam”, diz.

Antes de a equipe ir embora, um dos policiais chegou a perguntar se o cantor não tinha feito nada suspeito, que tivesse dado motivo à denúncia que os levou até ali. Ele respondeu que, pouco antes de entrar na balsa, tinha feito um desvio de um caminhão, pois tinha errado o caminho para a embarcação. “Foi um desvio de trânsito corriqueiro, não foi em alta velocidade”, disse. “O que a gente ficou muito indignado é que, depois que as coisas ficaram esclarecidas, o cara entregou as coisas na minha mão, e ninguém explicou nada.”

Jean William entrou em contato com Elizeu Soares Lopes, ouvidor da Polícia Militar, para que o caso seja averiguado. Ao G1, o ouvidor disse que, assim que a denúncia for formalizada, irá requisitar à Corregedoria da PM a apuração da ação por parte dos policiais.

O cantor questiona o motivo de ele ter sido abordado com tamanha agressividade, pontuando que não questiona a ação dos policiais em si, mas todo o sistema que leva a crer que um homem como ele, negro, não poderia estar dirigindo um carro de alto padrão, sem que fosse roubado.

“Minha questão não é acusar, mas deixar claro o quanto essa abordagem nos agride. É [alto] o número de pessoas negras que são abordadas constantemente pela polícia sem motivo. É claro que existe essa cultura no nosso País”, aponta.

* Com informações do portal G1.

Uma resposta para “Em carro de luxo, cantor negro é abordado por PM com arma no rosto”

  1. Avatar Iris Pincela Mateus disse:

    Tem muitos bandidos soltos, livres das prisões e tratados com todo respeito.
    No Brasil a polícia tem que ter treinamento para efetuar abordagens, ter respeito, sem gritos, averiguar antes as atitudes dos perseguidos, chegar com calma, ainda mais em cima de uma balsa!!! Que indignação!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.