Servidores reclamam de falta de diálogo com gestão Iris sobre reforma da previdência

Servidores, sindicalistas e vereadores debateram, na Câmara Municipal de Goiânia, o projeto de lei do prefeito Iris Rezende (MDB) 

Foto: Câmara Municipal

Servidores, sindicalistas e vereadores debateram, na Câmara Municipal de Goiânia, na tarde desta terça-feira (15/5), o projeto de lei do prefeito Iris Rezende (MDB) que aumenta alíquota de contribuição dos servidores de 11% para 14%. A audiência, presidida pela vereadora Sabrina Garcez (PTB), da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ), discutiu a reforma previdenciária municipal.

Durante a audiência, o presidente do Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Goiânia (IPSM), Sílvio Antônio Fernandes Filho, esclareceu que, com a proposta apresentada, busca equilibrar a participação da Prefeitura e dos servidores na busca de uma solução para a crise financeira previdenciária, com o objetivo de resguardar as aposentadorias, atuais e futuras.

Os servidores e sindicalistas presentes aproveitaram o espaço para criticar a falta de diálogo com a prefeitura antes da entrega do projeto. José Humberto Mariano, presidente do Sindicato dos Funcionários do Legislativo (Sindflego), sugeriu o arquivamento da proposta e propôs um debate amplo com a participação sindical para a criação de uma nova. Ele afirmou que não está claro como vai ser paga uma dívida de 25 milhões de reais ao Fundo gerada por essa reforma previdenciária.

Assim como o presidente do Sindflego, Napoleão da Costa, que é secretário de imprensa e divulgação do Sindicato dos Servidores da Educação (Sintego), se posicionou contrário ao texto apresentado. “Sou a favor da modernização e da autonomia administrativa e financeira do IPSM, mas não podemos aceitar esse aumento de alíquota”, assegurou.

Em entrevista ao Jornal Opção, a vereadora Sabrina Garcez avaliou a audiência como positiva, mas também criticou a forma como o projeto foi entregue pela gestão Iris. “Alguns pontos precisam ser melhorados, a começar pelo diálogo com os servidores. A contabilização e renegociação da dívida também precisa de mudanças”, afirmou.

Segundo ela, após discussões, o projeto apresentado pode beneficiar os interessados.

O projeto, que está na CCJ, deve ser encaminhado até esta quarta-feira (16) para a Procuradoria da Câmara, e, após retorno, será designado um relator para análise na Casa.

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.