Em audiência pública, Clécio Alves pede que prefeitura busque “apoio” de Marconi

No segundo encontro para discutir reajuste do IPTU, presidente da Câmara Municipal e vereador pelo PMDB, em discurso de quase meia hora, criticou e elogiou governador tucano

Foto: Marcello Dantas / Jornal Opção

Foto: Marcello Dantas / Jornal Opção

As discussões sobre os valores da Planta de Valores de Goiânia foram iniciadas com tom político na segunda audiência pública, realizada nesta segunda-feira (17/11), em auditório da Câmara Municipal de Vereadores. Embora este seja o segundo evento do tipo, é o primeiro que chega à Casa Legislativa da Capital.

O presidente da Câmara, vereador Clécio Alves (PMDB), voltou a criticar o governador do Estado, Marconi Perillo (PSDB). De acordo com o peemedebista, o tucano contribuiu para sua derrota nas eleições à Assembleia Legislativa deste ano, já que o colocou no centro do debate eleitoral como responsável por aprovar o projeto de reajuste do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU/ITU). “Nunca faltei com respeito ao governador. O mandato estava nas minhas mãos”, lamentou.

Em quase meia hora de discurso, Clécio Alves citou a questão por três vezes. Também falou a respeito dos recursos arrecadados pelo Programa de Parcelamento Incentivado 1 (PPI 1) e o que deve ser contraído com a segunda etapa do programa, que tem foco nas grandes empresas inadimplentes com o Paço Municipal, como a Celg e a Saneago.

No entanto, o vereador não só criticou Marconi Perillo. Ressaltando que as capitais brasileiras vivem momento de crise financeira, o presidente avaliou como positiva a reforma política e administrativa anunciada por Marconi Perillo na semana passada. “Mesmo nós não sendo deputados, precisamos apoiar as ações do governador que foi eleito no sentido de viabilizar um Estado para os goianos, porque o governo não é do governador”, analisou, complementando que a medida é importante para que seja cumprida a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

A proposta do governador pretende reduzir 16 mil cargos comissionados e compactar a administração de 17 para dez secretarias. A previsão de economia anual é de cerca de R$ 300 milhões.

Parceria

Às autoridades representativas e aos colegas vereadores, Clécio Alves voltou a destacar que a administração do município passa por dificuldade financeira, assim como outras cidades, e que a Câmara irá buscar ajuda financeira do governo estadual para auxiliar a Prefeitura de Goiânia. “Vamos, com responsabilidade, olhar os problemas de frente. Buscar o apoio do governador para a prefeitura e pedir a prefeitura que apoie o governador, pois estamos falando é de Goiás”, finalizou.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.