Em audiência, produtores rurais reclamam de serviços prestados pela Enel

“A CPI veio até onde o povo está para mostrar a realidade dos goianos à Enel”, disse o deputado Antônio Gomide durante o encontro

Deputado estadual Antônio Gomide (PT) discursa durante encontro da CPI da Enel em Anápolis / Foto: Reprodução
Deputado estadual Antônio Gomide (PT) discursa durante encontro da CPI da Enel em Anápolis / Foto: Reprodução

Pela primeira vez a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a atuação da Enel em Goiás realizou uma agenda fora da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego). Os integrantes da CPI foram até a Câmara Municipal de Anápolis a fim de ouvir os vereadores e os cidadãos anapolinos que compareceram a audiência para levar sua contribuição.

O objetivo da reunião era aproximar os trabalhos da CPI da população. Uma das falas mais marcantes do encontro foi a da produtora rural Amélia Mendes, que falou em nome dos produtores da região do Piancó, em Anápolis. Ela relatou a agonia que passou quando tentou encontrar um atendimento junto à Enel.

Amélia relata que, por conta de um desacordo na fatura, recebeu a cobrança de 49 talões de energia. “Como eu poderia ter 49 talões em aberto se com a segunda conta em aberto a energia é cortada? Fui ameaçada, disseram que iriam com a polícia lá tirar o meu relógio. Me cobraram uma quantia de R$ 70 mil. Eu paguei R$ 40 mil e depois apareceram mais 22 talões. Fui à Justiça e cheguei a ficar 25 dias sem energia. Meu prejuízo com a plantação foi de R$ 125 mil”, revelou a produtora.

Para o deputado Antônio Gomide (PT), a fala de Dona Amélia é um reflexo da realidade de Goiás e um testemunho importante para fazer com que a empresa saiba qual é o cotidiano do consumidor.

“Quando ouvimos o representante da Enel falando, parece que estamos em outro Estado, que está tudo bem e que não há reclamação alguma. Nós, que somos os representantes do povo, viemos até a casa do povo, que é a Câmara Municipal, para que a CPI e a empresa enxerguem o que ela está causando. Nós sabemos que a empresa é a pior no fornecimento de energia do Brasil. Isto está no ranking da Aneel”, lembrou o parlamentar.

“Se a empresa chegasse aqui, na Câmara de Anápolis, e dissesse que não está prestando um bom trabalho, se reconhecesse que há dificuldades no Daia, isso seria diferente. Mas está falando que está tudo bem. Enquanto isto, o povo está com saudade da Celg”, completou Gomide.

O deputado estadual, que foi prefeito e vereador do município criticou a postura da empresa em não reconhecer suas falhas e, com isto, ignorar a situação de pessoas como a produtora rural. “São milhares de Donas Amélias espalhadas por Goiás, que passam por dificuldades e não tem nem onde reclamar e nós não ficamos sabendo disso”. Também participaram do encontro os deputados Amilton Filho (SD) Cairo Salim (Pros) e Chico KGL (Dem).

A Enel respondeu às colocações em nota:

A Enel Distribuição Goiás informa que está à disposição da Assembleia Legislativa do Estado para os esclarecimentos necessários e que está contribuindo com as solicitações realizadas pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI). A Enel ressalta que um dos pilares da empresa é a transparência.

A Enel Distribuição Goiás esclarece que já investiu mais De R$ 110 milhões em Anápolis, investimentos que estão focados na manutenção, infraestrutura, automatização e modernização da rede elétrica de toda a região, incluindo os produtores rurais. A companhia reforça que também está investindo na construção da nova subestação Santana, no município, para garantir a confiabilidade e qualidade do serviço.

Em 2017 e 2018, a Enel Distribuição Goiás investiu mais de R$ 1,5 bilhão, volume de recursos que representa bem mais do que o dobro dos cerca de R$ 600 milhões que a antiga CELG D investiu em 2015 e 2016, antes da privatização. Além disso, a distribuidora apresentou, em fevereiro deste ano, para a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) e para o Governo do Estado de Goiás, um plano de melhorias para acelerar as iniciativas com foco na qualidade do fornecimento. Os investimentos realizados recentemente e as novas medidas previstas no plano apresentado às autoridades trarão impactos positivos nos indicadores de qualidade da empresa, melhorando também sua performance no ranking de continuidade da Aneel nos próximos anos. A Enel acrescenta que segue comprometida com a melhoria constante da qualidade do fornecimento de energia em sua área de concessão, por meio da modernização e automação da rede.

Sobre o caso citado durante a Audiência Pública, a empresa precisa dos dados da cliente para apurar o caso.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.