Políticos lamentam morte de Elza Soares, que faleceu no mesmo dia que Garrincha

Prefeito Rogério Cruz disse que Brasil perdeu uma “mulher preta inspiradora”. Cantora, ícone da música brasileira, morreu em casa, de causas naturais, aos 91 anos

A morte de Elza Soares, aos 91 anos, repercutiu entre políticos goianos e brasileiros. A cantora faleceu de causas naturais nesta quinta-feira, 20, em casa, no Rio de Janeiro, no mesmo dia que Garrincha, craque do Botafogo com quem ela teve um intenso e conturbado relacionamento por 17 anos. Elza dizia que o jogador, morto 20 de janeiro de 1983, foi o “maior amor da minha vida” dela.

O prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos), lamentou a morte dela ao dizer que o Brasil perde um ícone da música brasileira, mas sobretudo uma mulher preta inspiradora. “Elza Soares cantou as dores do povo e emprestou a sua voz para a discussão de temas urgentes. Morre Elza, mas sua Voz do Milênio nunca será silenciada. Meu carinho a todos os fãs”. A ex-vereadora Dra. Cristina disse que, pela “história de vida incrível”, Elza é “símbolo de luta e resistência”, sendo, inclusive, inspiração para a parlamentar, que foi vítima de violência doméstica e hoje é secretária de Direitos Humanos e Políticas Afirmativas de Goiânia. “Sua jornada de luz sempre marcará nossa história”, disse.

Além deles, o deputado federal Marcelo Freixo (PSB) também falou da falta que a cantora fará para a música brasileira. “Perdemos hoje uma das maiores cantoras de todos os tempos, a voz de um Brasil que é liberdade, potência e beleza. Descanse em paz, Elza Soares. Obrigado por tudo”.

O ex-candidato a presidência do Brasil, Guilherme Boulos disse que Elza Soares é a síntese de um país construído por mulheres negras e fortes. “Fez tudo e mais um pouco pela nossa música e nossa cultura. Vá em paz, gigante”, frisou. Já o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad contou que quando esteve com a cantora sentiu “a força descomunal de uma mulher extraordinária”. Segundo Haddad, ela “viveu e lutou como ninguém” e deixa um legado espetacular. “Honremos sua memória”, escreveu.

A carioca era considerada uma das maiores artistas do mundo e foi eleita como a voz do milênio. “É com muita tristeza e pesar que informamos o falecimento da cantora e compositora Elza Soares, às 15 horas e 45 minutos em sua casa, no Rio”, diz o comunicado enviado pela assessoria da cantora.

Elza Soares começou a carreira nos anos 60 e foi considerada uma das maiores cantoras da música brasileira, com carreira no samba. O último disco lançado foi “Planeta Fome” em 2019, o nome do álbum era uma referência a uma frase comumente dita por ela e lembrada deputada federal Gleisi Hoffmann: “Elza Soares veio do planeta fome, como ela mesmo dizia, para nos oferecer sua voz, seu talento, coragem, resistência, solidariedade e identidade com nosso povo. Mulher negra, brasileira, guerreira”, comentou.

Elza dizia que não tinha outros planos concretos para outro álbum neste ano. “Ainda não, mas vai surgir. Minha cabeça não para, cara”, disse ela durante entrevista no ano passado. Ela se apresentaria no dia 3 de fevereiro, em São Paulo, e nos dias 19 e 28 de fevereiro, no Rio de Janeiro. A cantora tinha shows marcados ainda para Curitiba e Belo Horizonte e agenda até o mês de agosto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.