Tiago Rocha recebeu a neurocientista tranquilamente e solicitou que ela voltasse a conversar com ele em outras ocasiões

A neurocientista e psicóloga que conversou com o vigilante suspeito de ter assassinado 39 pessoas em Goiânia afirmou a imprensa que “ele não é louco”. Cassia Oliveira teve uma conversa longa com o vigilante Tiago Henrique Gomes da Rocha, de 26 anos, na manhã desta quarta-feira (22/10) e diz que, apesar dos vários assassinatos, Tiago Rocha não tem o perfil de um serial killer.

O suspeito recebeu a neurocientista tranquilamente e solicitou que ela voltasse a conversar com ele em outras ocasiões. Cassia Oliveira disse ser muito cedo para definir o perfil de Tiago Rocha.

A conversa ocorreu pouco antes do suspeito ser transferido para o Núcleo de Custódia Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. O vigilante deve continuar preso isoladamente.

Crimes confirmados

No momento da prisão, que ocorreu nessa terça-feira (14), a polícia encontrou com o suspeito uma arma e uma moto preta utilizadas nos crimes. Na quarta-feira (15), a arma foi analisada pela superintendente da Polícia Técnico-Científica de Goiás, Itatiana Pires, que confirmou, durante coletiva de imprensa nessa quinta-feira, o nome de seis jovens que foram assassinadas “efetivamente” por essa arma: Ana Lídia Gomes, 14 anos; Isadora Cândido, 15; Juliana Dias, 22; Rosirene Alberto, 29; Thaynara da Cruz, 13; Thamara Conceição, de 17.

A série de homicídios de mulheres e a polêmica de um suposto serial killer iniciou no dia 19 de janeiro deste ano com a morte de Beatriz Oliveira, de 23 anos, no Setor Nova Suíça. Nos últimos meses, os crimes ganharam repercussão da mídia nacional e internacional e foram descritos como feminicídio.