É “Fake News” informação de que Lázaro fugiu para Mato Grosso do Sul

Informações compartilhadas na internet afirmam que serial killer escapou do cerco policial em Goiás e seguiu em direção à fronteira do Mato Grosso do Sul

A Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) do Mato Grosso do Sul confirmou nesta segunda-feira, 21, que não há informação oficial de que Lázaro Barbosa Souza, de 32 anos, chamado de “serial killer” do Distrito Federal e Goiás, tenha fugido para o estado vizinho.

Por meio de nota, a Sejusp disse que não recebeu nenhuma informação de que o foragido estaria se escondendo em Mato Grosso do Sul. A notícia fala, que circula nas redes sociais, aponta que Lázaro teria entrado no estado pela fronteira com Goiás.

A Sejusp informou que está acompanhando e, caso necessário, “todo e qualquer apoio será disponibilizado ao Estado vizinho. Até o momento, não se tem notícia de que o foragido tenha ido para Mato Grosso do Sul, ou que passaria por lá para chegar ao Paraguai ou Bolívia”.

Ainda segundo a Secretária de Segurança, os serviços de inteligência do Estado estão em contato para eventuais necessidades. “Por enquanto, apenas a orientação aos policiais nos trabalhos ordinários de atenção durante as fiscalizações e abordagens”, diz texto que confirma se tratar de “fake news” as informações sobre Lázaro tenha sido visto em MS.

No 13º dia de buscas por Lázaro Barbosa, quase 300 agentes de segurança participam das buscas em Cocalzinho de Goiás. O rapaz supostamente se esconde numa área de mata há quase duas semanas e desafia as autoridades locais, que tentam capturá-lo com operações diárias.

Além dos 270 agentes públicos, o cerco a Lázaro inclui o uso de um drone Polícia Federal com uma câmera termal, capaz de detectar diferenças de temperatura, cães farejadores, blitz nos veículos que circulam pela região e ainda até policiais especialmente treinados em ambiente de caatinga e cerrado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.