Durante operação, polícia prende suspeitos de adulteração de veículos e documentos

Foram cinco presos durante ação em Aparecida de Goiânia; foram encontrados diversas placas, documentos falsificados e nove veículos

Suspeitos foram presos em ação na última quinta-feira (27) | Foto: Jota Eurípedes

Suspeitos foram presos em ação na última quinta-feira (27) | Foto: Jota Eurípedes

A Polícia Civil, por meio da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic), prendeu cinco suspeitos de integrar uma quadrilha especializada em adulteração de chassis e emissão de documentos falsos em flagrante na última quinta-feira (27/10). O delegado responsável pelas investigações, Kleyton Manoel Dias, apresentou o caso nesta sexta-feira (28).

Entre os presos, está Marco Antônio Pinheiro que, de acordo com a polícia, recebia os veículos e motocicletas em casa para adulterar os chassis e emitir a documentação falsa. “De posse dos veículos roubados eles providenciavam a remarcação dos carros e toda documentação, transformavam um carro roubado veículo legal”, explicou Kleyton .“ Depois eles levavam os carros para outras unidades da federação, eram vendidos no Mato Grosso, Pará, entre outros.”

O grupo estava em uma casa no Setor Pontal Sul, em Aparecida de Goiânia. Com eles foram apreendidos nove veículos, entre eles um caminhão, diversos documentos em brancos emitidos pelo estado do Mato Grosso, placas falsas, além de cheques e objetos usados para fazer a modificação nos carros. Com João Gabriel de Oliveira Azevedo os policiais também apreenderam drogas e duas balanças de precisão.

Foram presos na ação Michael Loan do Carmo, Luciano Neiva de Oliveira e Michael Silas de Paula. Segundo as investigações, todos estão envolvidos com o esquema de adulteração de veículos e documentos. A polícia continuará as investigações para saber se há mais envolvidos nos crimes.

A hipótese de o grupo ser liderado por detentos não foi descartada, uma vez que Marco Antônio cumpriu pena por esse mesmo crime e confessou à polícia praticar esses delitos desde 2013. “Como todos são conhecidos da polícia, o Marco Antônio já estava sendo monitorado”, disse.  O delegado salientou que cada veículo que passava pela quadrilha girava em média, de R$ 5 e 10 mil, a depender do modelo.

Os veículos apreendidos, bem como os documentos passarão por pericia para identificar a origem. Já se sabe que um dos carros tem registro de roubo. Todos eles foram autuados por formação de quadrilha, adulteração de veículo, uso de documento falso, falsificação de documento público e receptação. João Gabriel também responderá por tráfico de drogas. (Com informações da Comunicação Setorial da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Administração Penitenciária)

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.