Duas mães são flagradas tentando entrar com celulares no Complexo Prisional, em Aparecida de Goiânia

O caso de pessoas flagradas tentando entrar com aparelhos eletrônicos e drogas na penitenciaria é costumeiro, principalmente aos domingos, quando a Pog recebe mais de 1,5 mil visitantes

Dois aparelhos celulares, um carregador e um fone de ouvido – aparelhos eletrônicos comuns –, mas que Divair Maria da Cunha, de 43 anos, carregava em suas partes íntimas. Divair é mãe de um rapaz de 23 anos, José Correia Cunha, que cumpre pena em regime fechado na Penitenciária Coronel Odenir Guimarães (Pog), no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. O fato aconteceu no começo da manhã deste domingo (22/6).

Por volta das 11h, as servidoras da área de Segurança Penitenciária, responsáveis pelas revistas nas visitantes registraram mais um flagrante. Maria José dos Santos, de 54 anos, mãe do preso Renan Ferreira de Jesus, de 21 anos, trazia consigo cinco aparelhos celulares fixados na perna e escondidos sob a calça que vestia. Ao ser submetida à revista, o detector de metal apitou.

Questionadas por agentes, as mães confessaram que levavam os aparelhos celulares para os filhos presos. Elas foram encaminhadas para o 1º Distrito Policial de Aparecida de Goiânia para registro do flagrante.

O caso das duas senhoras (mães) é costumeiro, principalmente aos domingos, quando a Pog recebe mais de 1,5 mil visitantes para os seus mais de 1,4 mil presos.

Na última segunda-feira, depois de uma reportagem especial feito pelo Fantástico, da TV Globo, que mostrava supostas regalias concedidas aos detentos, o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), exonerou o então titular da Secretaria de Administração Penitenciária e Justiça (Sapejus), Edemundo Dias e determinou que o secretário de Segurança Pública Joaquim Mesquita assumisse a pasta.

Quatro dias depois, houve a primeira inspeção no Complexo Penitenciário desde a crise. Na última sexta-feira (20), agentes apreenderam na Pog 14 churrasqueiras e nove mesas de sinuca. Já na Casa de Prisão Provisória (CPP) foram encontrados 46 celulares e 2,4 kg de maconha.

A superintendente de comunicação setorial da Pog, Flora Ribeiro, informou que os filhos das mães flagradas tentando entrar com celulares na penitenciária, José e Renan, foram encaminhados para o módulo de segurança da unidade para o cumprimento de sanção com isolamento, na forma da lei, sem direito a receber visita.

 

 

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.