Obra conseguiu autorização para iniciar fundação mesmo estando sob suspeita de fraudes de documento imprescindível, o estudo de impacto de vizinhança

| Foto: Alberto Maia e Reprodução Facebook
Djalma acusou Rodrigo Melo de atuar em benefício de Ilézio Ferreira, dono da Consciente Construtora, responsável pelo Nexus | Foto: Alberto Maia e Reprodução Facebook

O vereador Djalma Araújo protocolou, nesta quinta-feira (2/6), um requerimento para que o presidente da Agência Municipal do Meio Ambiente (Amma), Rodrigo Melo, vá até a Câmara dos Vereadores prestar esclarecimentos sobre a concessão de alvará de construção ao Nexus Shopping & Business, mega empreendimento no Setor Marista.

Embora sob investigação judicial e com um pedido de embargo já expedido pelo Ministério Público, a Consciente Construtora, responsável pela obra, conseguiu autorização para começar a fazer a fundação das três torres que compõem o empreendimento. O pedido para que a construção seja suspensa foi feito pelo promotor Juliano de Barros, depois que foram encontrados indícios de fraude no Estudo de Impacto de Vizinhança, documento fundamental para avaliar a viabilidade de um prédio no bairro em que se pretende erguê-lo.

[relacionadas artigos=”67461,64660″]

“Fiz um requerimento convidando o secretário da Amma para falar sobre como o Nexus conseguiu uma licença ambiental de operação mesmo sem estudo de impacto de vizinhança”, disse o vereador. Para Djalma, a concessão do alvará sem um dos documentos fundamentais para o início da obra sob suspeita demonstra uma atuação voltada para beneficiar grupos empresariais.

“Existe rolo nisso, é um esquema montado para que esse empreendimento seja construído em um local indevido”, acusou. “E este esquema passa pela Amma, pela Secretaria de Planejamento e passa pelo poder legislativo. Isso é inaceitável do ponto de vista urbanístico e também da probidade administrativa”, continuou ele.

Djalma não poupou críticas ao presidente da Amma, acusando-o de atuar para beneficiar Ilézio Ferreira, dono da Consciente Construtora. “Eu quero que ele preste esclarecimento porque, na minha opinião, ele é um pau mandado do partido dele, o Pros, que é ligado ao empresário dono do Nexus, essa obra que vai trazer grandes transtornos na vida de quem mora naquela região”, afirmou.

A escolha do cruzamento entre duas das maiores avenidas da cidade – 85 e D – não é aleatória. No coração do Setor Marista, bairro nobre da capital, e em frente a um dos mais conhecidos cartões postais de Goiânia, a escultura no viaduto Latif Sebba, o endereço é estratégico. No entanto, a área tem tráfego intenso principalmente nos horários de pico e um empreendimento onde podem passar, diariamente, 20 mil pessoas, pode literalmente parar o trânsito.

“Se você for analisar a lei, no caso de uma obra sem estudo de impacto de vizinhança, sem audiências públicas, sem relatório, é impossível conseguir o Estudo de Impacto Ambiental e o Relatório de Impacto Ambiental. Como eles conseguiram em poucos dias o alvará sem o principal documento que é o estudo de impacto de vizinhança?”, questiona Djalma. “O Rodrigo colocou o carro diante dos bois para atender aos interesses dos grupos econômicos? Eles mandam nessa cidade?”, continuou, “Isso precisa ter fim”.