Dissolução da Frente Parlamentar Independente foi estratégica, diz líder do bloco

Vereadores de oposição querem mais espaço na comissão parlamentar que vai discutir o projeto da revisão da planta de valores de Goiânia

Vereadora Dra. Cristina Lopes (PSDB) | Foto: Reprodução / Câmara Municipal

Foi anunciado em plenário na sessão desta quinta-feira (10/8) da Câmara Municipal de Goiânia, a dissolução do bloco Frente Parlamentar Independente. Segundo a líder do grupo, vereadora Dra. Cristina Lopes (PSDB) a decisão de acabar com o bloco foi unânime e inclusive estratégica para maior representatividade em uma importante comissão a ser formada em breve na Casa: a do projeto da revisão da Planta de Valores Imobiliários de Goiânia.

“Com a dissolução, mas pessoas terão oportunidade de participar da comissão da planta de valores. Como bloco, poderíamos indicar apenas um parlamentar. Como não temos uma base do prefeito construída, a oposição também fica solta então decidiu-se pela dissolução”, explicou a parlamentar.

O Prefeitura de Goiânia solicitou à Câmara Municipal a criação de uma comissão especial para elaboração de um projeto para revisão da Planta de Valores Imobiliários de Goiânia, que determina o preço do IPTU, ITU e ISTI.

Segundo a vereadora, os blocos e partidos tinham até esta quinta-feira (10/8) para apresentar as indicações à mesa diretora da Câmara e a comissão pode ser instalada já na semana que vem, dependendo da determinação do Paço Municipal.

Faziam parte da Frente Parlamentar Independente os vereadores Anselmo pereira (PSDB), Dra. Cristina Lopes (PSDB), Cabo Senna (PRP), Elias Vaz (PSB), Jorge Kajuru (PRP), Milton Mercêz (PRP), Priscilla Tejota (PSD), Sargento Novandir (PTN) e Paulo Magalhães (PSD).

Com a dissolução, Cristina Lopes foi a indicada do PSDB para a comissão da planta de valores.

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.