Disk drogas: 11 suspeitos de integrar grupo têm prisão preventiva decretada em Goiânia

Tráfico funcionava como um delivery que entregava entorpecentes à domicílio

Foto: divulgação

A juíza Placidina Pires, da 6ª Vara Criminal dos crimes punidos com reclusão, decretou a prisão preventiva de 11 suspeitos de participação em uma central de distribuição de drogas, com esquema de entrega na casa de usuários, semelhante a um serviço delivery. A magistrada determinou, ainda, a quebra de sigilo telefônico, acesso aos telefones celulares e mandado de busca e apreensão na residência dos investigados.

De acordo com o Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO) o grupo organizava um “disk drogas”, com funções específicas. Os usuários pediam entorpecentes pelo telefone e alguns integrantes tinha a tarefa de fazer as entregas, como motoboys, enquanto eram monitorados por um gerente, que tinha acesso à localização em tempo real dos entregadores.

Foram quatro meses de investigação e, durante esse período, a polícia confirmou que foram feitas mais de 100 entregas diariamente em vários setores de Goiânia. Ainda de acordo com Justiça, o possível líder do esquema ilícito se chama Silas Coelho Costa Júnior, que era foragido. Silas tem duplo reincidente e possui condenação por tráfico, associação ao tráfico e porte de arma de fogo.

A decisão da juíza, segundo ela, se deu na necessidade de manter o grupo preso, por se tratar de uma organização criminosa bastante estruturada e ramificada. “Além da presença de fortes indícios de autoria que pesam em seu desfavor, vejo que as condutas supostamente praticadas são concretamente graves”, disse Placidina.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.