Discussão sobre o Plano Diretor de Goiânia é retomada

Projeto sofreu alterações a partir de novas regras do governo federal

Secretário Vilmar Rocha e eq | Foto: Reprodução

Secretário Vilmar Rocha e equipe discutem alterações no plano | Foto: Reprodução

A retomada do Plano Diretor da Região Metropolitana foi tema de reunião na manhã desta quarta-feira (10/5) entre o secretário Vilmar Rocha e a equipe técnica formada por servidores da Secima e professores da Universidade Federal de Goiás (UFG).

O projeto do Plano foi assinado no dia 9 de dezembro de 2014, mas teve que ser modificado em janeiro, a partir da instauração do Estatuto da Metrópole, pelo Governo Federal. Esse estatuto exige o macrozoneamento do território urbano, o que suspendeu o projeto original da Secima para adequações.

O Estatuto da Metrópole aborda o Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado, que estabelece diretrizes para o desenvolvimento urbano. A partir dessas premissas, o objetivo do grupo é produzir um instrumento de planejamento e gestão que considere as mudanças nas esferas territorial, social, econômica, ambiental e política nos municípios que compõem a Região Metropolitana de Goiânia.

Problemas como a segregação urbana, deterioração da capital e da sua periferia, deficit habitacional, altos índices de violência e criminalidade serão levados em consideração pelo grupo para as alterações necessárias. A equipe técnica é chefiada pela professora Celene Barreira. Segundo ela, a intenção é criar uma “identidade regional”.

A coordenadora adiantou que a região norte de Goiânia e o município de Senador Canedo devem receber um maior número de habitantes até 2035. Conforme os mapas já produzidos pela equipe, a Grande Goiânia poderá sofrer com problemas de saneamento básico e mobilidade urbana, caso não haja planejamento e gestão integrados.

Para o secretário das cidades e do Meio Ambiente, Vilmar Rocha, “as demandas por serviços que exigem a integração dos municípios da Região Metropolitana aumentaram exponencialmente nos últimos anos, tornando a grande Goiânia uma das áreas mais adensadas do País”.

Um portal com todas as informações será lançado em agosto, onde o cidadão poderá acompanhar todos os passos do desenvolvimento do projeto e a situação em que a Grande Goiânia se encontra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.