Diretor do Zoológico de Goiânia dá sua opinião sobre caso do menino que teve braço dilacerado por tigre

No comando da unidade goiana há nove anos, Rafael Cupertino conhece bem a petulância de alguns visitantes

Divulgação

Reprodução

O caso do menino de 11 anos que teve um dos braços dilacerado por um tigre no Zoológico de Cascavel, no oeste do Paraná, ganhou grande repercussão na imprensa nacional desde a manhã desta quinta-feira (31/7).  De imediato, a responsabilidade pelo “incidente”  foi dividida entre a ausência de bom senso do pai do menor, a falta de estrutura da unidade, e até mesmo o animal foi culpado pelo “ataque”.

No comando do Zoológico de Goiânia há nove anos, Rafael Cupertino conhece bem a petulância de alguns visitantes. Na esperança de uma aproximação com os animais, muitos esquecem os limites de segurança impostos pelo Zoo, colocando em risco a própria vida.

Na unidade goiana, a situação foi amenizada há dois anos quando foi adotado um novo modelo para os locais onde estão alojados os animais de maior periculosidade. A instalação de redomas de vidro, ao invés das grades, além de maior segurança, torna o ambiente mais confortável para os animais. Rafael Cupertino explica o porquê. “Com isso, é excluída o estigma que se tem das jaulas, oferece mais segurança, além da blindagem acústica e da impossibilidade do animal receber alimento dos visitantes”, diz.

Sobre o caso de imprudência no zoológico de Cascavel, o dirigente destacou a imprudência do pai do garoto como causa para o acidente. “Para mim, foi uma total irresponsabilidade do pai. Eu não conheço a estrutura de lá, mas foi um episódio de descuido a partir do momento em que ultrapassaram a barreira”, avaliou.

Cupertino também esclareceu que o incidente não se tratou de um ataque, uma vez que o animal foi provocado. Ele lembra que, apesar de domesticado, o tigre possui instintos selvagens que podem aflorar a qualquer instante; daí a relevância das medidas de segurança. Ele conta que nem mesmo os tratadores são autorizados a passar a mão nos animais como a criança o faz nos vídeos.

Para o médico Daniel Thomaz de Aquino e seu filho Matheus,  o Zoo de Goiânia é muito seguro e ótima opção de lazer. Foto: Fernando Leite

Para o médico Daniel Thomaz de Aquino e seu filho Matheus, o Zoo de Goiânia é muito seguro e uma ótima opção de lazer. Foto: Fernando Leite

De acordo com o diretor, felizmente, no tempo em que está à frente da unidade, nenhum acidente parecido com o do garoto de Cascavel foi registrado em Goiânia, nem com visitantes ou com tratadores. Mas, caso venha a ocorrer, ele ressalta que a equipe da unidade estará prontamente preparada para atender a demanda.

A segurança do Zoológico de Goiânia é responsabilidade da Guarda Municipal e os agentes possuem treinamento para primeiros socorros. Além disso, a unidade mantém contato direto com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgências (Samu) e com o Corpo de Bombeiros.

“Já tivemos alguns pequenos acidentes, como queda de crianças. Nestes casos, o atendimento foi imediato e bastante eficiente. A gente tem um planejamento de segurança grande; desde que as pessoas o respeitem e não passem do limite estabelecido este é um passeio agradável”, finalizou.

3 respostas para “Diretor do Zoológico de Goiânia dá sua opinião sobre caso do menino que teve braço dilacerado por tigre”

  1. Avatar Thiago Bitar disse:

    O pai foi irresponsável, e o moleque procurou. Com 11 anos nós já sabemos o que é certo e o que é errado.

  2. Avatar Jaqueline disse:

    nao existe nada de agradável num passeio pelo zoológico de Goiânia. Total desrespeito aos animais, que morrem dia a dia… quem foi provavelmente já pode observar a situação dos bichos, mesmo depois de quase tres anos fechados para reforma. O que nós, humanos, nos tornamos?

    • Avatar ze mulato disse:

      concordo com vc jaqueline, estive la recentemente e medeparei com funcionario um tratador de animais agredindo um animal bruscamente.era um rapaz moreno escuro pelo nome de Joverci, ainda discuti com ele e disse que ele é quem deveria estar naquela jaula, pois era um verdadeiro animal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.