José Marcos de Freitas Musse, preso na primeira fase da Operação Compadrio, do MPGO, pediu exoneração na última quarta-feira (19/8)

José Marcus Musse, ex-diretor da Agetop, preso em operação do MPGO | Fotos: Eduardo Ferreira
José Marcus Musse, ex-diretor da Agetop, preso em operação do MPGO | Fotos: Eduardo Ferreira

O engenheiro e diretor de Obras Rodoviárias da Agência Goiana de Obras e Transportes Públicos de Goiás (Agetop), José Marcos de Freitas Musse, pediu exoneração ao presidente Jayme Rincón na tarde de quarta-feira (19/8). A demissão foi aceita e encaminhada à Secretaria da Casa Civil para publicação do ato no Diário Oficial do Estado (DOE), conforme comunicado divulgado na manhã de hoje.

[relacionadas artigos=”42863,43200″]

Musse foi um dos presos a Operação Compadrio, deflagrada pelo Ministério Público de Goiás (MPGO) no último dia 11 de agosto. O diretor foi solto após a Justiça conceder na tarde de ontem habeas corpus em favor do ex-diretor.

Segundo o comunicado da Agetop, a Portaria de número 2206/2015 autorizou a criação da Comissão de Auditoria para apurar “fatos inerentes a Operação Compadrio, bem como as demais infrações conexas que emergirem no decorrer dos trabalhos”.

A nota diz ainda que apoia as investigações provenientes da operação deflagrada pelo MPGO e atende prontamente aos pedidos de informações feitos pelos responsáveis da apuração.

A exoneração está sendo divulgada no mesmo dia em que o MPGO e a Polícia Militar deflagram a segunda fase da Compadrio em três cidades goianas.

Operação

As investigações da Operação Compadrio foram iniciadas em 2013, e apuram a prática de crimes contra a administração pública realizadas por uma organização criminosa instalada em órgãos públicos do Estado de Goiás. Segundo o MPGO, esse grupo utilizava funcionários fantasmas e de empresas laranjas para desviar dinheiro público.

Foram apuradas também práticas de favorecimento em licitações públicas, lavagem de dinheiro e retirada fraudulenta de restrições bancárias, cartorárias e no cadastro de proteção ao crédito, todos eles contando com a colaboração e participação de funcionários públicos.

Na última semana, além das prisões temporárias, foram cumpridos dois mandados de prisão preventiva, 21 mandados de condução coercitiva e 37 mandados de busca e apreensão.

Confira a nota na íntegra:

Comunicado

1. O engenheiro José Marcos de Freitas Musse solicitou na tarde de ontem (19/08) ao presidente da Agetop, Jayme Rincón, sua demissão do cargo de Diretor de Obras Rodoviárias da Agência. A demissão foi aceita e encaminhada a Secretaria da Casa Civil para publicação do ato no Diário Oficial do Estado.

2. Foi criada no âmbito da Agetop, conforme Portaria Nº 2206/2015 (anexa), uma Comissão de Auditoria para apurar os fatos inerentes a Operação Compadrio, bem como as demais infrações conexas que emergirem no decorrer dos trabalhos.

3. A Agetop apoia as investigações provenientes de operação deflagrada pelo Ministério Público de Goiás e atende prontamente os pedidos de informações feitos pelos responsáveis da apuração.