Presidente afastada disse que será representada pelo seu advogado, José Eduardo Cardozo, durante sessão nesta quarta-feira

A presidente afastada Dilma Rousseff (PT) confirmou que não irá comparecer para depor nesta quarta-feira (6/5) durante sessão da Comissão Processante do Impeachment do Senado.

Via Twitter, a petista disse que sua defesa na comissão será feita por escrito e lida por seu advogado, José Eduardo Cardozo. “Estamos avaliando a minha ida ao plenário do Senado, em outro momento”, afirmou Dilma.

A presidente afastada também disse na rede social que luta para retomar seu mandato. “Acredito e luto todo dia para meu retorno. Não só pelo meu mandato, mas pelo resgate da democracia”, escreveu.

Na mesma remessa de tuítes, Dilma voltou a considerar como válida a proposta de novas eleições e negou qualquer intenção de negociar com o ex-presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB).

“Cunha tenta um certo tipo de barganha muito pouco republicana. Não há como ter governabilidade e o custo ser a corrupção desenfreada”, disse.

Rito do impeachment

Nesta terça-feira (5), os senadores ouvem os peritos assistentes da defesa e da acusação que analisaram a perícia feita por técnicos do Senado na qual foi apontada ação da presidenta afastada Dilma Rousseff em decretos, mas não identificou ações que comprovem crime de responsabilidade nas chamadas “pedaladas fiscais”.

O relatório dos peritos foi entregue na segunda (4) na secretaria do colegiado e agora os indicados pela defesa, o advogado Ricardo Lodi Ribeiro e o economista Rodrigo Octávio Orair, irão explicar suas conclusões. Pela acusação será ouvida a especialista em Finanças Públicas, Selene Nunes. Os três peritos do Senado que assinam o parecer também participam da reunião. (Com informações da Agência Brasil)