Em Goiânia, Dilma Rousseff é enaltecida pelo governador Marconi Perillo

Durante o evento de abertura do 86º Enic, a presidente anunciou para o dia 29 de maio o lançamento da terceira etapa do “Minha Casa, Minha Vida”

Este slideshow necessita de JavaScript.

Prestigiando o 86º Encontro Nacional da Indústria da Construção (Enic), no Centro de Convenções de Goiânia, a presidente Dilma Rousseff (PT) foi bastante elogiada pelo governador Marconi Perillo (PSDB) por conta dos investimentos do governo federal no Estado de Goiás. O tucano ressaltou o bom relacionamento que mantém com Dilma: “Agradeço à senhora pelo espírito verdadeiramente republicano”, disse. “Eu sou testemunha e falo isso aqui na presença de todos, publicamente: Todos sabem, sou de outro partido, e tive com a senhora nesses três anos uma relação extremamente convergente em favor do meu Estado”, declarou.

A presidente não hesitou em retribuir os gestos de Marconi. Ela pontuou que os governos estaduais e municipais são fundamentais para o andamento dos programas federais e classificou Marconi como “um parceiro na jornada”, ao lado dela desde 2011, referindo-se ao ano em que ambos assumiram os cargos Executivos.

Dilma aproveitou a ocasião para anunciar a data da terceira etapa do programa “Minha Casa, Minha Vida”: 29 de maio. Ela frisou que, por meio do projeto, 2.750.000 casas devem ser entregues até o final de seu mandato. A petista ainda deu um cutucão no pré-candidato do PSDB à presidência, Aécio Neves, que, em reuniões com empresários, estaria dizendo que não temeria tomar medidas consideradas impopulares caso eleito. “Todos aqueles que pretenderem fazer arranjos ou tomarem decisões impopulares, vocês podem ter certeza que alguma delas será cortar uma parte dos subsídios do ‘Minha Casa, Minha Vida’”, declarou.

Ela destacou o “Minha Casa, Minha Vida” como um dos projetos prioritários de sua gestão e frisou a importância dos subsídios. “Eu tenho compromisso com esse subsídio, porque eu acredito que foi isso que permite que o programa rode tão bem”, sustentou. Segundo a presidente, do total de 2.750.000 moradias a serem entregues, 1.691.000 já foram disponibilizadas.

Para que o programa possa se desenvolver de forma mais acelerada, ela conta com a ajuda dos prefeitos e governadores. “Um dos maiores desafios do programa é a busca de terrenos, principalmente nas grandes cidades”, disse. “Por isso, governador, é muito importante a participação dos governos dos Estados e das prefeituras. Não é só uma questão de custo: é uma questão de impedimento de construção.”

Além dos projetos habitacionais, a presidente ressaltou os investimentos do governo federal na educação, com ênfase no que tem sido feito por meio do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). De acordo com a petista, mais de 7,2 milhões de matrículas já foram feitas pelo programa, criado especialmente para solucionar o problema da falta de mão de obra qualificada no país.

Ela afirmou também que a aprovação da lei que estabelece a destinação de parte dos Royalties do petróleo para a Educação é essencial para o desenvolvimento do setor. “A aprovação da lei dos Royalties é uma das chaves do futuro para essa educação de qualidade. Tirar 75% dos royalties do petróleo e 50% dos excedentes em óleo para o Fundo Social permitirá à educação brasileira fazer frente à sua enorme demanda.”

Além de Dilma e Marconi, estiveram presentes no evento autoridades como o prefeito de Goiânia, Paulo Garcia (PT), o presidente da Câmara Brasileira de Indústria da Construção (CBIC), Paulo Safady Simão, o presidente da Câmara de Vereadores de Goiânia, Clécio Alves (PMDB), o vice-governador José Eliton (PP) e o presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Hereda.

A presidente vai a Anápolis nesta quinta-feira (22/5) para participar da inauguração de um trecho de 1,5 mil km da Ferrovia Norte-Sul, que liga a cidade goiana a Palmas, no Tocantins.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

márcio costa rodrigues

Isso é que é oposição ao governo Dilma por parte do PSDB. Parecia o Ronaldo Caiado batendo no ex-ministro do MAPA Stephanes (PMDB). Depois podíamos vê-los alegremente se divertindo numa churrascaria em Brasília. Pra transferir uma professora do Amapá pra Goiás eles não tem dinheiro, porque na campanha eles gastam tudo. Alguém aí já recebeu alguma oferta? Já tenho ouvido falar de propostas para essa campanha.