Perícia conseguiu usar dados de eleitores e candidatos para quebrar barreira de segurança do equipamento

Foto: Elza Fiuza/Agência Brasil

Peritos da Polícia Federal (PF) diagnosticaram duas falhas operacionais no sistema da urna eletrônica. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a perícia conseguiu usar dados de eleitores e candidatos para quebrar uma barreira de segurança atribuída ao equipamento.

No entanto, foi descartado qualquer motivo para alarde. Em entrevista à GloboNews, o secretário de tecnologia da informação do Tribunal, Giuseppe Janino, disse que, com a quebra da barreira, foi possível mudar palavras nas urnas, mas não o nome dos candidatos ou eleitores.

“Encontraram fragilidades, mas não existe nenhum risco. Mesmo assim, vamos trabalhar para corrigir esses pontos e fortalecer a segurança da urna”, disse Janino. O TSE considera as falhas apontadas como superficiais.