Desafetação de áreas da Prefeitura de Goiânia é aprovada em definitivo

Houve muito debate antes da aprovação da matéria, que se deu somente após reunião a portas fechadas convocada pelos integrantes do bloco moderado

Moradores da capital acompanharam a votação e protestaram contra o texto que foi aprovado | Foto: Marcello Dantas

Moradores da capital acompanharam a votação e protestaram contra o texto que foi aprovado | Foto: Marcello Dantas/Jornal Opção Online



O projeto de desafetação de 18 áreas públicas da Prefeitura de Goiânia foi aprovado por 19 votos a 11 em segunda e última votação na Câmara Municipal de Vereadores no início da tarde desta terça-feira (13/5). O bloco moderado preferiu não votar a proposta.

O projeto foi aprovado após reunião da líder do governo na Casa, Célia Valadão (PMDB), com vereadores da base por quase 1h. Segundo o vereador Deivison Costa (PTdoB), houve uma conversa por telefone com o prefeito Paulo Garcia (PT). A matéria segue agora para sanção do petista.

A proposta estava sendo questionada desde o início da manhã por moradores de bairros que não tiveram áreas destinadas a construção de casas populares com o projeto. De acordo com o presidente da Câmara, Clécio Alves (PMDB), após a consulta ao petista, foi proposto que seja formatado um projeto exclusivo par a área habitacional e deve ser apresentado nesta semana.

O vereador Elias Vaz (PSB) considerou a aprovação como algo imperdoável. A presidente da Comissão de Habitação, Urbanismo e Adensamento Urbano, Tatiana Lemos (PCdoB), afirmou que foi essa foi a votação mais vergonhosa por que passou e também disse que irá recorrer à Justiça.

Agora, as áreas passarão a fazer parte dos Projetos Diferenciados de Urbanização (PDU 1), o que permitirá o seu adensamento por meio da verticalização dos imóveis. Boa parte delas está na região do Park Lozandes, próximas ao Paço Municipal. A permuta de aproximadamente 208.000 m² pode arrecadar cerca de R$ 250 milhões. Com a venda das áreas, a prefeitura pretende solucionar a crise financeira.

Parecer contrário

Em 22 de abril, Tatiana Lemos havia adiantado que o relatório da comissão que presidente dava parecer contrário ao projeto. Mesmo após o alerta, o documento foi reprovado pela maioria dos integrantes do colegiado. Quem votou contra foi Tayrone Di Martino (do PT, vice-presidente), Célia Valadão (PMDB), Deivison Costa (PT do B), Divino Rodrigues (Pros) e Jorge Do Hugo (PSL). “Tem algumas áreas que não conseguimos saber [da Prefeitura] qual será a destinação”, informou a vereadora na época.

O Paço Municipal deveria ter divulgado se as áreas a serem desafetadas possuem ou não equipamento social, como um Centro Municipal de Educação Infantil (Cmei), por exemplo. Ou então, se naquela região há algum prédio do tipo já instalado. A intenção era saber qual o tamanho do prejuízo à população a partir da venda ou alienação dos espaços.

Tramitação

O projeto foi aprovado em primeira votação na Câmara no final de fevereiro passado. O placar da votação foi de 22 votos favoráveis contra 11. A matéria chegou à Casa em 2011 e uma decisão judicial suspendeu o efeito dela em 2012. O MPGO obrigou a prefeitura a criar uma conta bancária específica para o recebimento do dinheiro das áreas.

A partir disso, o Paço reencaminhou o projeto em dezembro de 2013 e voltou a causar polêmica. A votação foi adiada para este ano a partir do pedido de vistas da líder do governo, a vereadora Célia Valadão (PMDB).

*Leia Mais:
Ex-vereador estimula grupos a fazerem pressão pela aprovação de projeto de desafetação de áreas
Tatiana Lemos diz estar convicta de que áreas do município não devem ser desafetadas
Datas de audiências sobre desafetação de áreas públicas poderão ser definidas após carnaval

Uma resposta para “Desafetação de áreas da Prefeitura de Goiânia é aprovada em definitivo”

  1. BOM DIA, GOSTARIA DE SABER OS LOCAIS, AREAS QUE A PREFEITURA ESTA QUERENDO VENDER, TIPO PROXIMO AO PAÇO MUNICIPAL E OUTRAS.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.