Deputados goianos se posicionam sobre votação de relatório da Previdência

Texto aprovado mantém as diretrizes da proposta original do governo Jair Bolsonaro

Deputados goianos se posicionam sobre votação de relatório da Previdência

Fotos: Divulgação; Fernando Leite/Jornal Opção

O deputado federal Rubens Otoni (PT) foi um dos 13 parlamentares que votaram contra o parecer do relatório da Previdência (PEC 6/19), de Samuel Moreira (PSDB-SP), na comissão especial da reforma da Previdência. De acordo com o parlamentar goiano, “a proposta só retira direitos, dificulta o acesso à aposentadoria e diminui o valor principalmente para os de baixa renda”.

“Precisamos de uma Reforma da Previdência que garanta sustentabilidade e o pagamento dos benefícios previstos na Constituição. A PEC 06 não faz isso”, argumentou Otoni. Segundo o parlamentar, a campanha promovida pelo governo é falsa, pois não retira privilégios, não cobra dos grandes devedores e sonegadores e, para piorar, injustamente retira direitos dos trabalhadores e trabalhadoras que ganham menos, argumenta.

O petista aposta na derrota da PEC 06 no plenário. “Agora a votação vai para o plenário, onde precisarão de 308 votos para aprovar a proposta, aí o resultado será diferente”. Outro representante goiano que se posicionou contra a aprovação do texto apresentado pelo governo foi Elias Vaz (PSB). “O problema fiscal brasileiro é grave e precisa ser resolvido. Mas não concordo que a culpa seja jogada nas costas dos trabalhadores brasileiros”, defendeu.

“Eu, particularmente, acho que para resolver o problema fiscal brasileiro devemos pegar quem está no topo da pirâmide, que são os mais ricos, para ajudar o país nesse momento. Não podemos ampliar a desigualdade social no Brasil”, explicou. 

Elias disse que é uma falácia dizer que a reforma combate privilégios. “Sou favorável que se tire todos os privilégios, mas nesta reforma quem vai pagar a conta é o pobre. Ela vem como instrumento para resolver o problema fiscal brasileiro, mas será em cima dos mais ‘lascados’. Sinceramente, não posso concordar com isso”, finalizou Vaz.  

Outro lado

Já o deputado José Nelto, líder do Podemos, defendeu a aprovação do relatório do deputado Samuel Moreira. Para ele, o relator foi o mais consensual possível. “A oposição cumpre o papel dela na democracia, mas ela não tem conteúdo e não está preocupada com o Brasil. Eu sugeri que eles façam a proposta da reforma deles. Eles podem contribuir se forem inteligentes. Essa reforma não é do Bolsonaro é do parlamento”.

“Não tem como deixar um coronel ou promotor aposentar com 45 anos de idade, não tem dinheiro que pague essas aposentadorias. Não estamos demitindo servidores nem cortando salários. Foi um relatório consensual, equilibrado e o mercado reagiu a isso imediatamente, a bolsa esta subindo e o dólar baixando”, afirmou Nelto.

O texto aprovado na quinta-feira, 4, mantém as diretrizes da proposta original do governo Jair Bolsonaro (PSL). Foram 36 votos favoráveis e 13 contrários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.