Deputado Paulo Cezar Martins sofre tentativa de homicídio

Peemedebista estava a caminho de Gouvelândia quando quatro tiros foram disparados contra sua caminhonete. Segurança do parlamentar revidou e ninguém ficou

Paulo Ceza, do PMDB, não ficou ferido | Foto: Assembleia Legislativa

Paulo Cezar, do PMDB, não ficou ferido | Foto: Assembleia Legislativa

O deputado Paulo Cezar Martins (PMDB) prestou depoimento à Polícia Civil na tarde deste sábado (11/4) após sofrer uma tentativa de homicídio na noite de sexta-feira (10), na GO-206, entre Quirinópolis e Gouvelândia, a 311 quilômetros de Goiânia.

Por volta das 22 horas, pelo menos cinco tiros foram disparados contra a caminhonete do parlamentar. Um deles furou um pneu e outros foram no para-lamas, para-choque e no vidro traseiro e na porta traseira — ambos do lado esquerda. Um sargento da Polícia Militar que fazia a segurança de Paulo Cezar revidou com cinco tiros. Ninguém ficou ferido.

A suspeita é a de que os responsáveis pela autoria do crime estariam em um VW Golf. A Polícia Civil de Quirinópolis e a Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic) investigam o caso.

*Informações atualizadas às 17h

3
Deixe um comentário

3 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
Rose

Sinto pelo atento.Mas pergunto! Conforme jornal das 19 horas da TV Anhanguera informou que: Excelentíssimo deputado sofreu atentado por volta das 22 horas e estava indo para sua fazenda, fora do horário de trabalho em carro público, ainda tinha como segurança da polícia militar. Dois erros no meu ponto de vista e gasto com o dinheiro público. Mesmo que venha com a justificativa de trabalho com as suas bases. Adianto tal justificativa, pois é sempre o que ouvimos como justificativa.

Marta Rocha

Rose, a pedido, qualquer parlamentar usa a prerrogativa que se sentir ou haver alguma ameaça o Estado tem por obrigação dispor de segurança particular e por isso é feita por policiais militares.

Lita Carneiro

É pena que o Estado não tenha o mesmo zelo de dar segurança aos cidadãos comuns. Quando alguém sofre um atentado eu já me pergunto: teria ele denunciado caso de corrupção?