Deputado federal rejeita vice do diretório tucano e cargo permanece em aberto

Cargo está sendo rejeitado por parlamentares do PSDB que estão “brigando” para ficar de fora da vice-presidência. Pedido é que cadeira seja ocupada por indicação da bancada

Em discurso, no palco do evento na Assembleia Legislativa, deputado federal João Campo disse que não poderia ser vice-presidente do diretório estadual por "falta de tempo" | Foto: Sarah Teófilo

Em discurso, no palco do evento na Assembleia Legislativa, deputado federal João Campo disse que não poderia ser vice-presidente do diretório estadual por “falta de tempo” | Foto: Sarah Teófilo

Uma disputa ao inverso acontece com cargo de 1º vice-presidente no diretório estadual do PSDB goiano. Conforme presidente eleito neste domingo, Afrêni Gonçalves, foi acertado que a bancada federal do PSDB escolhesse um nome para o cargo de vice. O problema é que os deputados não estão interessados.

O nome do deputado João Campos estava registrado na lista de cargos presente na convenção para a escolha do novo diretório estadual. O parlamentar, entretanto, usou seu discurso para falar que se sentia honrado, mas que não poderia ocupar a cadeira por falta de tempo. “Graças a Deus eu tenho muitas atividades em Brasília. Seria um prazer, mas eu não tenho disponibilidade para servir o partido”, explicou.

Fábio de Sousa não perdeu tempo e, assim que João Campos encerrou o discurso, utilizou o microfone para indicar o nome do delegado Waldir Soares. O critério utilizado pelo deputado para foi a quantidade de votos. Ao Jornal Opção Online, Fábio disse que Giuseppe Vecci havia sido chamado anteriormente, mas recusou. Então, indicaram João Campos.

O deputado Waldir não pôde ser consultado no local, já que não foi ao evento na Assembleia Legislativa. De acordo com ele, estava em uma evento com a presença dos ministros Kátia Abreu e Gilberto Kassab, em Rio Verde. Em entrevista por telefone ao Jornal Opção Online, o delegado disse que já foi indicado para o cargo de vice do diretório nacional do PSDB. “Acho que não seria a melhor pessoa para o diretório estadual. Seria até acúmulo de funções”, disse.

De acordo com ele, entretanto, quem faz essas decisões é o governador Marconi Perillo. “Esta escolha não é minha nem de ninguém. Assim como o governador decidiu quem seria o presidente, é ele quem decide o vice”, disse. O deputado indicou os colegas Célio Silveira, Alexandre Baldy e Fábio de Sousa para o cargo.

Questionado se gostaria de ser o vice-presidente, o deputado Fábio de Sousa também não mostrou interesse. “Não quero ser mais presidente nem vice de nada”, disse, explicando que já foi presidente municipal do partido, mas que a experiência não foi boa para o político. “É muito difícil. As pessoas acham que é fácil, mas não é”, pontuou.

O novo presidente Afrêni Gonçalves disse que deve conversar com o deputado Waldir nos próximos dias, e que definição deve sair o mais rápido possível. Questionado sobre possibilidade de nenhum deputado aceitar o cargo de vice, Afrêni garantiu que isso não irá acontecer. “Tenho certeza que ele [Waldir] quer fazer parte desta história”, disse.

Sobre possibilidade de Alexandre Baldy, que queria o cargo de presidente, aceita ser o vice, Fábio de Sousa respondeu apenas com um “acho que não”.

O Jornal Opção Online tentou contato com Célio Silveira e Alexandre Baldy, mas as ligações não foram atendidas.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.