Delegada Adriana Accorsi defende que aliança PT-PMDB seja como casamento: “Se não está feliz, que se separe”

Para deputada, o ano de 2015 é o momento propício para refletir sobre aliança e descobrir se ela continua sendo o melhor para os partidos, para Goiânia e para o Estado

Deputada Delegada Adriana Accorsi durante cerimônia de posse na Assembleia | Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

Deputada Delegada Adriana Accorsi durante cerimônia de posse na Assembleia | Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

Durante a cerimônia de posse na Assembleia Legislativa de Goiás ocorrida no último domingo (1º/2), a deputada Delegada Adriana Accorsi (PT) falou ao Jornal Opção Online sobre a aliança entre seu partido e o PMDB. Para ela, é “natural” que o assunto seja discutido neste ano.

A parlamentar defendeu que 2015 é o momento certo para os partidos conversarem de forma democrática e madura. “Se for o caso, continuemos [com a aliança]. Se não, tem que ser como nos casamentos: se não está feliz, que separe. Mas eu acredito que podemos sim, continuar trabalhando juntos.”

Sobre uma possível aliança do PMDB com Ronaldo Caiado (DEM), a deputada desconversou. “Isso aí diz respeito ao PMDB, já tem que perguntar a eles”. O senador já sinalizou que aposta em Íris Rezende (PMDB) para a prefeitura de Goiânia em 2016, porém não apoiará o ex-governador caso a aliança com o PT continue.

Comissão de Segurança Pública

A delegada também disse que quer a presidência da Comissão de Segurança Pública. Segundo a parlamentar, seus eleitores a escolheram para que ela possa servir à população na questão da segurança, área em que trabalhou durante os últimos 15 anos.

A deputada já até conversou com o atual presidente da comissão, o deputado Major Araújo (PRP) sobre quem assumiria a presidência. De acordo com ela, o deputado “é um companheiro dos trabalhadores de segurança pública” e os dois pretendem atuar juntos “em prol não só da segurança de todos, mas também dos profissionais que atuam nesse trabalho tão difícil”.

Eles teriam definido que quem assumiria o cargo seria a delegada, uma vez que o Major Araújo é o atual presidente. Os dois fariam um revezamento e esperam que “isso dê certo com os demais colegas da Assembleia”.

Ao assumir a presidência, o primeiro passo de Adriana seria se reunir com profissionais da segurança e as pessoas que atuam na área. Além disso, ela pretende implantar uma série de projetos que “visam trazer mais dignidade para o profissional da segurança e também para o atendimento da comunidade”.

A ideia é que a comissão faça discussões com policiais civis, militares, bombeiros, com a polícia penal e a guarda municipal, para “trazer bons projetos que realmente mudem a vida da população de Goiás para melhor no que diz respeito à segurança”.

Entre as propostas da deputada estão, por exemplo, a implantação de Juizados Especiais de Atendimento à Mulher e Delegacias do Idoso em todas as cidades do Estado. Além disso, ela pretende criar casas de proteção para as mulheres e seus filhos que estão sofrendo ameaça de morte e fortalecer as Delegacias da Mulher e  de Proteção à Criança e ao Adolescente.

Outra ideia da delegada é a criação da vara especializada para o atendimento de crianças vítimas de violência. De acordo com ela, Goiás é um dos únicos estados que não possui essa vara, “o que faz com que as crianças vítimas de pedofilia demorem oito anos pra ter seu caso julgado”.

Já em relação ao Serviço de Interesse Militar Voluntário Estadual (Simve), que já havia sido bastante questionado pelo ex-deputado Mauro Rubem (PT), a deputada afirmou que esse é um diálogo que deve ser aprofundado, já que é uma questão que vem “sendo questionada pela própria justiça brasileira”.

“Eu como funcionária pública concursada obviamente entendo que a preferência é para que o profissional da segurança seja concursado. E vou trabalhar no sentido de auxiliar para que o nosso estado evolua nesse sentido”, assinalou.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.