Segundo advogado, quadro de saúde do médium se deteriorou e complexo prisional não tem prestado atendimento devido

[relacionadas artigos=”202531″]

O advogado de João de Deus, Marcos Lara, teve acesso a decisão da Rosângela Rodrigues, da comarca de Abadiânia, que negou pedido de prisão domiciliar ao religioso, preso desde dezembro passado no Complexo Prisional de Aparecida. Além de garantir que um recurso já está em produção, o defensor garantiu que este será protocolado até meio dia desta sexta-feira, 9.

Em seu texto, a juíza afirmou que não existe fato novo e que também não foi demonstrado agravamento do quadro clínico de João de Deus. Ela também entendeu que não foi evidenciada falta de tratamento na unidade prisional. Porém, Marcos afirma que a defesa reuniu relatórios médicos recentes que demonstram a atual situação de saúde do médium, que se deteriorou.

“Saúde deprimente. No fim de semana passado ele caiu e cortou o lado direito do rosto. Nesta quinta-feira, 8, não deixaram os médicos particulares entrarem”, reclamou Marcos, que disse que os relatórios do Complexo Prisional sempre apontam para regular, “de forma genérica”. Conforme o defensor, João está em situação moribunda. “A defesa já viu outro preso aferir a pressão dele [de João]”.

Em nota, a Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP) informou que “aguarda a notificação oficial da defesa do custodiado João Teixeira de Faria sobre as reclamações que ela apresenta à imprensa para que o órgão possa ter conhecimento formal e sejam tomadas as providências institucionais cabíveis”.