A defesa protocolou o documento na tarde desta segunda-feira, 23, na 134ª Zona Eleitoral de Goiânia

Pesquisa eleitoral | Foto: politize-se.com/Divulgação

O Grupom e os advogados da coligação Goiânia em um Novo Momento protocolaram na Justiça Eleitoral, um pedido de autorização para publicar a pesquisa de intenção de voto, feita pela empresa. A sondagem contratada pela campanha de Vanderlan Cardoso (PSD), que disputa a prefeitura de Goiânia, foi impedida pela decisão do juiz Reinaldo Alves Ferreira, 
da 134ª Zona Eleitoral, de ser divulgada em Goiânia, na tarde deste domingo, 22. 

O juiz Reinaldo Alves Ferreira atendeu ao pedido da coligação Pra Goiânia Seguir em Frente, que apontou “sérios vícios” que poderiam interferir no resultado final da pesquisa,  como irregularidades na divulgação dos entrevistados e marcação precisa dos locais onde a sondagem teria sido feita.

A defesa de Vanderlan Cardoso entrou com recurso, também, na 134ª Zona Eleitoral de Goiânia, pedindo a autorização da veiculação da pesquisa realizada pelo Grupom. Segundo a peça, o questionário cumpriu todos os requisitos dispostos na Lei das Eleições no artigo 33, que obriga as empresas de pesquisa a fazerem o controle, a verificação, a conferência e fiscalização dos dados coletados em campo. Além disso, a empresa Grupom está há 48 anos no mercado goiano, trata-se uma empresa confiável, séria e dedicada. E como prevê a lei, registrou a pesquisa com cinco dias de antecedência de uma possível divulgação. 

A defesa foi apresentada na tarde desta segunda-feira, 23, e aguarda deferimento do juiz. Caso a pesquisa seja divulgada antes de uma decisão judicial, o magistrado Reinaldo Alves Ferreira, da 134ª Zona Eleitoral estipulou multa de R$ 5 mil diária.