Decreto: comércio poderá abrir com turno de seis horas, sem funcionamento aos finais de semana

Em transmissão ao vivo pela internet, governador Ronaldo Caiado media divulgação de pontos que devem vigorar nas cidades goianas

Live mediada pelo governado Ronaldo Caiado | Foto: Reprodução

Em transmissão virtual na tarde desta terça-feira, 13, o governador Ronaldo Caiado (DEM) e o prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos), anunciaram as medidas de combate à pandemia que devem vigorar no decreto. Segundo o documento, o comércio continua a funcionar com todos os protocolos de segurança, incluindo uso de máscaras de proteção facial, alcool em gel 70º e distanciamento de dois metros entre os funcionários, com turno de seis horas, exceto nos finais de semana, em que todos os comércios deverão permanecer fechados.

Bares e restaurantes deverão ter lotação máxima de 50%. Instituições de ensino público e privado poderão abrir com normas estabelecidas pelo COE e Secretaria Estadual de Saúde (SES-GO). Supermercados, feiras livres, lojas de conveniência e congêneres não poderão receber clientes para consumo no local. Hotéis, pousadas e similares deverão funcionar com 65% da capacidade.

Academias poderão abrir com 30% da capacidade, assim como salões de beleza, centros de estética, shoppings, galerias, centros comerciais, camelódromos e similares. Indústrias e obras de construção civil, exceto de energia elétrica, saneamento básico, hospitais, penitenciarias, sistema socioeducativo, infraestrutura do poder público e de interesse social, funcionarão com turno máximo de oito horas e deverão fornecer transporte aos empregados. Mantém suspensos eventos públicos e privados, uso de espaços comuns em condomínios, piscinas, cinemas, visitação a presídios e centros de detenção, teatros, boates e salões de festas e jogos.

Acordo com municípios e setor empresarial

Segundo o governador, os prefeitos podem ampliar as restrições, mas caso queiram flexibilizar, “tem todo um elenco de regras do ponto de vista sanitário para que possam comprovar o não cumprimento do atual decreto”. Em adiantamento do que deve ser publicado, Caiado confirmou que as atividades ficam suspensas nos finais de semana “para não dar espaço para que eventos de festejos aconteçam”.

“O decreto é bem didático, onde toda equipe dos senhores prefeitos buscam não dificultar a leitura de decretos anteriores e faz descrição bem detalhada de todos os pontos que são restritivos, identificando horários, prioridades, atendendo cidades do interior do Estado de Goiás que solicitaram na última videoconferência que essa flexibilização ficasse mais a critérios dos prefeitos e prefeitas, já que muitas cidades não tem o mesmo problema da capital e Região Metropolitana e o fluxo de pessoas que usam transporte coletivo”, afirmou o governador.

“Com demais empresários construímos um acordo que será também transferência de responsabilidade a todos aqueles que sabem a importância de apoiar o decreto. solicitar que todos os setores da economia que assumam a responsabilidade da máscara, higienização das mão e distanciamento para contarmos com a queda que estamos colhendo em relação aos 14 dias que estivemos fechados”, disse.

“Estamos colhendo os frutos com a diminuição de óbitos e demanda de leitos de UTI. Graças a compreensão e apoio das demais autoridades, hoje estamos tendo uma demanda diminuída por leitos de UTI. É uma queda sustentada, mostrando que este resultado foi o que nós colhemos dos dias que nós fechamos 100% o comércio. Contamos com a conscientização de todos os segmentos para que assumam a responsabilidade. Não podemos voltar a ter uma outra curva que não seja de declínio”, acrescentou Caiado.

“As restrições, que seriam totais e em tempo integral, foram limitadas para que a área econômica pudesse demonstrar que é possível, no momento em que conseguimos estabilizar a velocidade de transmissibilidade do vírus, contar com todas a s pessoas, não tem espaço para festas, sabedores que situações como esta são as que mais disseminam o vírus na nossa população”, alertou o governador.

De acordo com Caiado, a decisão poderá ser revista no momento em que as áreas do município apontarem aumento na velocidade de transmissão do vírus.

Voto de confiança

O secretário estadual de Saúde, Ismael Alexandrino, pontuou que “foi importante fazer esse voto de confiança à sociedade”. “Nós temos grande convicção que o avanço da vacinação tem diminuído números na parcela idosa, tem grande impacto nos profissionais de saúde, que chega a 58% de diminuição na contaminação. Os 14 dias de fechamento foram fundamentais para entrarmos no mês de abril com tendências de queda. Não há conforto com relação ao momento da pandemia. Não há nenhuma atitude irresponsável do ponto de vista sanitário do executivo, mas uma análise global nos aspectos sociais e econômicos”, afirmou.

Ainda pediu que demais prefeitos não flexibilizem e nem deem tom político. “Que sigamos uníssonos e de mãos dadas o decreto estadual”, ressaltou.

“O fato das atividades estarem abrindo não quer dizer que a pandemia acabou ou que chegamos em um nível de indicadores confortáveis ou tranquilos”, destacou Flúvia Amorim, superintendente de Vigilância em Saúde, da Secretaria Estadual de Saúde.

O prefeito Rogério Cruz pontuou que, a diminuição apontada por Caiado em demanda de leitos e óbitos, “não nos dá motivo e razão de abrir tudo de uma vez, liberarmos as pessoas para saírem de casa”. Ainda afirmou que o município está disposto a trabalhar junto com o governo do Estado para combater a pandemia.

Para a subprocuradora-geral de Justiça para Assuntos Institucionais, Laura Maria Ferreira Bueno, do Ministério Público de Goiás, “qualquer alteração nos decretos municipais tem que estar fundadas nas informações epidemiológicas”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.