Daniel Jobim realiza, pela primeira vez, trabalho com cinema

O músico, neto de Tom Jobim, é um dos jurados do festival e irá avaliar os filmes da mostra competitiva

daniel jobim

Daniel Jobim, um dos jurados da mostra competitiva do Fica, realiza, pela primeira vez, um trabalho fora da música | Foto: Sarah Teófilo

Sarah Teófilo
Da Cidade de Goiás

Que ele é músico, a gente já sabe. Mas o seu envolvimento com cinema é novidade. “É, eu também não sabia do meu outro lado”, disse, dando gargalhada. Daniel Jobim, filho do ícone da Bossa Nova, Tom Jobim, é um dos jurados da 17ª edição do Festival Internacional de Cinema Ambiental (Fica), e irá avaliar os 21 filmes da competitiva.

Este é o primeiro trabalho do músico relacionado ao cinema. Daniel Jobim explica que foi convidado, achou positivo e veio ao festival. “O contato com essa discussão ambiental tem sido bom também para abrir a mente para outros problemas e pensar em novas músicas”, disse.

Jobim afirma que se reúne com os outros jurados todos os dias para discutir os filmes. “É um trabalho muito difícil, porque não queremos cometer injustiças. Os filmes estão ótimos, e cada um tem um foco diferente a ser analisado.” O jurado exemplifica utilizando os filmes “My Name is Salt” (Meu nome é sal) e “Transgenic Wars” (Guerras Transgênicas), visto no Cinemão na tarde da última sexta-feira (14/8). “Um tem um foco mais ambiental, com denúncias assustadoras; já o outro, Salt, mostra uma parte mais humana, a vida dos indianos que vendem o sal.”

O músico reforça a importância dos documentários, assim como do festival, para mostrar à população questões ambientais importantes que não estão sendo debatidas. “É um trabalho importantíssimo documentar isso” e completa: “A ideia do festival é maravilhosa e tem que continuar.”

Sobre o seu lado musical, Daniel Jobim explica que está gravando algumas músicas, e que no próximo mês irá fazer um show São Luis. A cobrança, por ser neto de Tom Jobim, é sempre presente, mas Daniel diz que não se importa. “Tive muito contato com o meu avô e conheço a música dele muito profundamente.”

Deixe um comentário