Brasil já possui 55 mil estudantes de cursos técnicos no modelo EAD

Vinícius Mendes
Especial para o Jornal Opção

Apesar da supremacia de ofertas de pós-graduação latu sensu e de graduação na modalidade EAD, o país viveu também um crescimento de cursos técnicos a distância nos últimos anos. Segundo dados da Associação Brasileira de Ensino a Distância (ABED), eram 219 oferecimentos em 2016, mais do que os bacharelados e as licenciaturas.

Os cursos técnicos também se tornaram um dos mais procurados pelos alunos brasileiros: há dois anos, eram 55 mil matriculados pelo país – número maior do que os estudantes de pós-graduação latu sensu (49 mil) e que as MBAs (10 mil).

Em 2015, segundo a entidade, existiam 184 cursos técnicos totalmente a distância no país para 43 mil alunos. No ano anterior, eram 155 ofertas, mas um número recorde de 60 mil matriculados. Enfim, em 2013 existiam 139 cursos e 35 mil alunos cadastrados.

Isso demonstra que, em quatro anos, houve um aumento de 57% nas ofertas de cursos técnicos no Brasil, que cresceram o mesmo volume em número de alunos. “A maior concentração de alunos está nos cursos que oferecem oportunidades de ingresso em novas profissões que exigem formação: os cursos tecnológico, de licenciatura e iniciação profissional são aqueles com mais alunos em cursos a distância no Brasil”, diz um trecho do relatório produzido pela ABED no ano passado.

“A presença massiva de cursos técnicos e profissionalizantes, e mesmo das licenciaturas, reforçam o valor da EAD para atender demandas práticas de educação com resultados rápidos e perceptíveis na empregabilidade”, completa.

Para a maioria dos observadores da área, os cursos técnicos atraem alunos com pressa suficiente para entrar no mercado de trabalho antes de iniciar a graduação. De forma geral, eles tendem a ser mais curtos, com menos horas obrigatórias e maiores chances de entrada em algum emprego que ajude no caminho rumo à universidade. Isso explica a procura por cursos nas áreas de sistemas de informação, enfermagem, logística e segurança.

No ano passado, uma pesquisa do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) revelou que profissionais que fizeram cursos técnicos têm, em média, um acréscimo de 18% na renda em comparação com pessoas que concluíram apenas o ensino médio regular.

No Nordeste, a diferença na renda é ainda maior, chegando a quase 22% para os trabalhadores com formação técnica. O acréscimo na renda dos profissionais com curso técnico chega, em média, a 21,4% nas regiões Norte e Centro-Oeste e a 15,1% no Sul e Sudeste.

“Um aumento de renda de quase 20% não é trivial. Trata-se de um diferencial relevante e uma prova de que vale a pena investir nessa modalidade de formação profissional”, avaliou o diretor-geral do Senai, Rafael Lucchesi. Ele ressaltou que o curso técnico é “o caminho mais rápido” para a inserção qualificada do jovem no mundo do trabalho.